Wilker Barreto cobra explicações da Seduc sobre contratos sem licitação de R$ 40 milhões

Os contratos são referentes a refeições e transporte escolar.
19/03/2019 16h33 - Atualizado em 20/03/2019 13h22
Foto: Divulgação

Redação AM POST

O alto preço do custo unitário das refeições e do transporte escolar praticados sem dispensa pelas empresas beneficiadas pelo certame da Secretaria de Estado de Educação (Seduc) voltaram à pauta do deputado estadual Wilker Barreto (PHS), na manhã desta terça-feira, 19/03. O parlamentar denunciou no plenário da Assembleia Legislativa d o Amazonas (Aleam) os ganhos reais de R$ 41 milhões das empresas Bento Martins de Souza, GH Macário Bento e Dantas Transportes.

Para o Líder da Minoria, o agravante ocorre principalmente na alimentação dos alunos da rede estadual da capital e do interior. A empresa Bento Martins que em 2017/18 cobrava R$ 2,20 no lanche para a capital e R$ R$ 6,35 no almoço passou a cobrar R$ 3,51 e R$ 7,75 respectivamente sem licitação.

“Acho que a justificativa que estão dando para a contratação da empresa é que mudou a cozinheira. Como eles mudaram a qualidade se diziam que a refeição não prestava no ano passado? É a mesma empresa. Ano passado era praticado o valor de R$ 21 milhões para capital e agora R$ 32 milhões para o novo governo. Diferença de 11 milhões. Já no interior o valor era de R$ 20 e passou para R$ 32 com diferença de 12 milhões. Isso não é brincadeira não. É o dinheiro do sofrido povo amazonense”, bradou.

No transporte escolar, Wilker detectou um aumento de R$ 18 milhões em relação a 2018. A empresa Dantas Transportes que no ano passado cobrava do Governo do Amazonas R$ 28 milhões passou a trabalhar com o valor de R$ 46 milhões.

“O secretário de educação falou que aumentou R$ 18 milhões porque contrataram monitores. A mesma empresa, a Dantas Transportes, que fazia o mesmo percurso por 28 milhões para a gestão passada agora está cobrando R$ 46 milhões com a mesma rota feita. Estou no aguardo do número de monitores contratados e a relação de municípios. É um aumento que prejudica o erário”, afirmou.

Resposta ainda não veio
Wilker avisou ao secretário Luiz Castro que ainda está no aguardo dos documentos que comprovam os gastos e as reais necessidades das dispensas de licitações.

“O secretário Luiz Castro se comprometeu na audiência da semana passada que o mais rápido possível enviaria os documentos comprovando os reais gastos da pasta. Ainda estou no aguardo do documento que ele disse que traria com urgência”, disse.

*Com informações da Assessoria de Imprensa


*** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.


Contato Termos de uso