Marcelo Ramos é chamado de ‘vagabundo’ e diz que não ‘sucumbirá’ à ‘marcha’ da milícia virtual de Bolsonaro

O deputado sofreu ameaças após criticar as decisões do presidente Bolsonaro.
05/06/2019 12h14 - Atualizado em 5/06/2019 17h09

Presidente da Comissão Especial da reforma da Previdência, o deputado federal Marcelo Ramos (PR-AM) foi ameaçado por telefone. Ele foi chamado de ‘vagabundo’ e que iria ‘se ferrar’, segundo revelou à coluna Painel da Folha de S.Paulo. O deputado disse que a ameaça, também ocorrida nas redes sociais, aconteceu quando anunciou que a Câmara produziria um substitutivo ao projeto da reforma da Previdência.

“Sobre ameaças que venho sofrendo quero tranquilizar a todos e, em especial, a minha família. Eu relevo porque é coisa de radicaloides. Sigo fazendo meu trabalho pelo Brasil e mantendo meu mesmo estilo de vida simples de sempre. Não vou sucumbir a essa marcha contra valores civilizatórios promovida pelo presidente e por uma parte mais extremistas da sua milícia virtual”, afirmou em nota.

“O que houve de mais grave foi por ligação e eu simplesmente bloqueei o telefone. Nas redes sociais há muitas agressões de bolsominions mas eu relevo. Eles são destemperados”, disse Ramos. Ele revelou que irá avaliar se processa os autores das ameaças.

O deputado declarou nessa terça-feira que o presidente Jair Bolsonaro não tem noção do que é importante para o país. O posicionamento foi rebatido pelo porta-voz da Presidência da República, general Otávio Rêgo Barros.

“Eu fico realmente admirado de que seja dito que o nosso presidente não tem prioridade. (Ele) tem demonstrado isso diuturnamente, por meio das suas ações diretas, com a interlocução com o Congresso, por meio das proposições apresentadas”, declarou Rêgo Barros.

Ramos escreveu nesta terça no Twitter uma mensagem comentando a ida de Bolsonaro ao Congresso Nacional, para entregar o projeto de lei que dobra a pontuação da carteira de motorista e amplia a validade desse documento de cinco para dez anos. O parlamentar disse que o mandatário não tem noção de prioridade e do que é importante para o país.

“Depois reclamam quando digo que o presidente Bolsonaro não tem noção de prioridade e do que é importante pro país. Enquanto estamos num seminário sobre reforma da Previdência ele está vindo pra Câmara apresentar PL (projeto de lei) que trata de aumentar pontos na carteira de maus motoristas”, escreveu o deputado.

Questionado sobre as declarações de Ramos, o porta-voz disse que as propostas encaminhadas por Bolsonaro ao Parlamento demonstram “um plano estratégico do governo” para alcançar esses objetivos. “Me parece não adequado quem quer que possa ter feito esse comentário em relação ao nosso presidente”, complementou Rêgo Barros.

Fonte: Folhapress


*** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.


Facebook

Economia

Contato Termos de uso