Autópsia diz que militar rebelde da Venezuela foi espancado, chicoteado e eletrocutado

As lideranças chavistas na Venezuela se recusaram a admitir que ele morreu após sofrer tortura.
03/07/2019 17h50 - Atualizado em 3/07/2019 17h50
Foto: Reprodução

Redação AM POST

O militar venezuelano Rafael Acosta Arévalo teve 16 costelas quebradas, fratura do septo nasal e de um dos pés, lesões compatíveis com chicotadas e queimaduras, possivelmente causadas por choques elétricos. Detalhes da autópsia de seu corpo foram publicados pelo advogado venezuelano Zair Mundaray no Twitter nesta quarta-feira (3).

Rafael morreu no último sábado (29) sob custódia do regime de Nicolás Maduro, acusado de participar de uma suposta tentativa de golpe contra o chavismo na Venezuela.

Acosta estava quase inconsciente em uma audiência na sexta-feira, depois de ter sido espancado e torturado, disse sua mulher, Waleska Perez, em entrevista a uma emissora da televisão de Miami, acrescentando que ele foi transferido para um centro de saúde militar.

As lideranças chavistas na Venezuela confirmaram a morte de Acosta, mas se recusaram a admitir que ele morreu após sofrer tortura.


*** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.


Facebook

booked.net

Economia

Contato Termos de uso