“Não posso ser prejudicada por atos de terceiros”, diz Joana Darc ao informar que vai recorrer de decisão que a deixa inelegível

Fraude em candidaturas do Partido Liberal fez juíza decretar inelegibilidade da deputada e cassar mandatos de vereadores.
21/08/2019 15h57 - Atualizado em 22/08/2019 15h40

Foto: Divulgação


Natan Gaia – Redação AM POST

A líder do governo Wilson Lima, na Assembleia Legislativa do Amazonas (ALE-AM), deputada estadual Joana Darc, está inelegível por oito anos devido fraude do antigo Partido da República (hoje Partido Liberal – PL) no registro de candidaturas das Eleições 2016. A decisão é da juíza da 37ª Zona Eleitoral, Kathleen dos Santos Gomes, e foi publicada no Diário da Justiça Eletrônico desta quarta-feira (21).

Procurada pela reportagem do Portal AM POST a deputada afirmou por meio de nota que irá recorrer à decisão judicial além de prestar todos os esclarecimentos necessários. “Não posso ser prejudicada por atos de terceiros”, disse.

A juíza eleitoral afirma na decisão que o PL burlou a legislação eleitoral que garante o mínimo de 30% de
candidaturas para homens ou mulheres e apresentou candidatura falsa para completar o percentual feminino.

A ação é baseada em denúncia feita por Ivaneth Alves da Silva, que procurou o Ministério Público Eleitoral (MPE) para informar sobre possível inscrição fraudulenta de seu nome como candidata ao cargo de vereadora de Manaus. A mulher afirma que “nunca se candidatou a qualquer cargo eletivo”.

Sobre a denúncia Joana disse que em 2016 não obteve nenhum conhecimento sobre o que diz respeito a candidatura da cidadã em questão na decisão publicada no Diário Oficial que refletiu sobre a cota não atingida pelo partido.

Os vereadores do PL na Câmara Municipal de Manaus (CMM), Edson Bentes de Castro, o Sargento Bentes Papinha; Mirtes Sales, que entrou na vaga de Joana; Claudiomar Proença de Souza e o vice-presidente da casa Fred Willis Mota Fonseca tiveram seus mandatos cassados. Conforme a decisão, todos os eleitos pelo partido em 2016, durante eleição municipal, devem ser afastados de seus cargos.

Leia a nota da deputa na íntegra:
Em 2016 disputei pela primeira vez  como vereadora em Manaus pelo então Partido da República (hoje Partido Liberal – PL), que me apoiou para o pleito eleitoral, no qual consegui a vitória com o apoio da população Manauara, uma conquista digna e justa. 

Não obtive, na ocasião, nenhum conhecimento sobre o que diz respeito a candidatura da cidadã em questão na decisão publicada no Diário Oficial nesta terça-feira (20/08/2019) que refletiu sobre a cota não atingida pelo partido. 

Confio na Justiça Eleitoral e creio que não posso ser prejudicada por atos de terceiros, portanto, irei recorrer à decisão, bem como prestar todos os esclarecimentos necessários, pois fui eleita de maneira justa e democrática em 2016 para ser vereadora, e em 2018 recebi mais uma vez o voto de confiança da população do Amazonas para que pudesse representar o povo na Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas. 

Agradeço de todo meu coração as pessoas que estão prestando apoio e solidariedade nesse momento, principalmente aquelas que compreendem que nesse processo fui apenas uma das vítimas, mas que por ter sido eleita, estou sendo alvo das consequências por ato de terceiros. Continuarei trabalhando de forma comprometida no nosso mandato e confio que em breve tudo se resolverá da melhor forma. Gratidão!

Deputada Estadual Joana Darc


*** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.


Facebook

Economia

Contato Termos de uso