Pai e madrasta são presos por tortura e morte de criança de 6 anos

Além de sinais de desnutrição, peritos constataram diversas lesões no corpo da criança como falta de um pedaço da orelha, lesões nas costas e úlceras no tornozelo e mãos.
03/08/2019 18h18 - Atualizado em 3/08/2019 18h18

Foto: Reprodução


Redação AM POST –

A menina Mel Rhayane Ribeiro de Jesus, de 6 anos, morreu ontem (2) após ter sido torturada. Rodrigo Jesus da França, de 25 anos, pai da menina e a madrasta dela, Juliana Mayara Brito da Silva, foram presos pelo crime neste sábado (3).

A criança morava na comunidade da Cachoeirinha, bairro do Lins, no Rio de Janeiro, com o casal que têm ainda dois filhos, uma de 2 anos e um bebê de 5 meses. Mel Rhayane foi levada para o hospital mas já chegou morta e as graves lesões chamaram a atenção dos médicos, que acionaram a polícia.

De acordo com informações do G1, Rodrigo confessou o crime e admitiu que deixava a menina amarrada em casa para corrigir um suposto comportamento sexual. Além disso ele afirmou que usava uma colher aquecida no fogo para agredi-la. A madrasta, negou ter batido em Mel Rhayane, mas foi presa em flagrante por omissão. Vizinhos afirmam que o pai chegou a atirar a filha de uma ribanceira.

Tortura
Além de sinais de desnutrição, peritos constataram diversas lesões no corpo da criança como falta de um pedaço da orelha, lesões nas costas e úlceras no tornozelo e mãos, que mostram que a menina era constantemente amarrada e chicoteada.

Ao ser questionado pelos jornalistas, Rodrigo disse que as lesões apresentadas no corpo da filha não eram de tortura.

“Ela botou a mão na minha filha de 2 anos, eu dei uma surra nela. Ela caiu no chão, não fui eu que joguei ela no chão, doutora”, disse ele antes de entrar no carro da Polícia Civil para ser levado para um presídio.

Segundo Rodrigo, o atual companheiro da mãe da menina a estuprou. Desde então, deixava a filha escondida em casa e até a impedia de ver a meia-irmã.

*Com informações do G1


*** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.


Facebook

Economia

Contato Termos de uso