Líder do governo afirma que apoiadores de Bivar dirão que Lula é inocente

Segundo Vitor Hugo, os aliados de Bivar afirmam que existe uma milícia virtual usada pelos apoiadores de Bolsonaro para espalhar notícias falsas contra adversários, o que ele nega.
20/10/2019 12h48 - Atualizado em 20/10/2019 12h48

Foto: Reprodução


A guerra virtual entre os parlamentares do PSL continua na manhã de hoje. O líder do governo na Câmara dos Deputados, Vitor Hugo (GO), ligado ao presidente Jair Bolsonaro, usou as redes sociais para criticar os congressistas que apoiam o presidente do partido, Luciano Bivar (PE). Ele afirmou que o grupo caminha para a oposição e, em breve, dirá que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) é inocente.

“Caminham p oposição: 1) discurso da existência das “milícias virtuais”; 2) obstrução votações importantes c pretextos vazios (reunião é + importante q a possib. caducar uma MP); 3) aliam-se à esquerda na orientação de PL importantes.. em breve, dirão q o Lula é inocente.. triste”, disse Vitor Hugor.

Segundo Vitor Hugo, os aliados de Bivar afirmam que existe uma milícia virtual usada pelos apoiadores de Bolsonaro para espalhar notícias falsas contra adversários, o que ele nega. Além disso, o líder do governo declarou que o grupo passou a obstruir votações importantes no Câmara.

Crise entre Bolsonaro e Bivar

A crise no partido ganhou força no último dia 8. Sem saber que estava sendo transmitido ao vivo, Bolsonaro disse para um apoiador “esquecer o PSL” e afirmou que Luciano Bivar, presidente do partido, estava “queimado pra caramba”.

Nos dias seguintes, nomes do partido saíram em defesa de Bolsonaro ou de Bivar, mostrando que havia um racha. Como pano de fundo, ambições políticas, disputa pelo controle do dinheiro do fundo partidário e a influência dos filhos do presidente.

A situação piorou após Bivar ser alvo de uma operação da Polícia Federal. Em seguida, Bolsonaro articulou a derrubada do líder do PSL na Câmara, delegado Waldir (GO), e substituí-lo pelo filho, Eduardo Bolsonaro (SP). Entretanto, a articulação fracassou e o parlamentar de Goiás permaneceu no posto.

Fonte: Uol


*** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.


Contato Termos de uso