24/08/2015 12h09 - Updated 24/08/2015 12h09

Government announces it will cut ten ministries

Dilma resolveu admitir uma questão óbvia.
Photo: Ueslei Marcelino / Reuters
Photo: Ueslei Marcelino / Reuters

Oito meses depois de assumir seu segundo mandato, a presidente Dilma Rousseff decidiu admitir uma óbvia questão: o governo tem ministérios demais. Pressionado a tomar parte no aperto fiscal que por ora tem afetado apenas o cidadão comum, o Palácio do Planalto anunciou nesta segunda-feira que dará início a uma reforma administrativa que incluirá o corte de dez ministérios. Na campanha eleitoral do ano passado, Dilma defendeu o atual número de pastas dizendo que elas fortalecem demandas de minorias e não trazem despesas consideráveis ao governo.

Em entrevista concedida no Palácio do Planalto, o ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, he said, com menos ministérios, será possível também reduzir o número de cargos comissionados e de secretarias. Barbosa não informou quais pastas serão cortadas, mas disse que o processo se dará até setembro. O objetivo da ação, de acordo com o ministro, é melhorar agestão pública”. currently, a presidente Dilma Rousseff tem no primeiro escalão do governo 39 cargos com status de ministro.

A redução de pastas é cobrada publicamente pelos presidentes da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), and Senate, Renan Calheiros (PMDB-AL), como gesto do governo num contexto em que tenta aprovar uma série de propostas impopulares no Congresso, que aumentam impostos e restringem o acesso a benefícios. O corte marca (more) uma mudança de posição da presidente, que criticava a proposta, defendida pelo candidato tucano Aécio Neves (MG), na campanha presidencial do ano passado. Em entrevista ao Programa do Jô, in June, Dilma sinalizou a intenção de ter um primeiro escalão mais enxuto. “Cada ministro tem um papel. Criticam muito porque nós temos muitos ministérios. Acho que teremos de ter menos ministérios no futuro”, reconheceu, ao ser questionada se sabia de cor o nome de todos os ministros do governo.

Barbosa falou a jornalistas ao lado do ministro das Cidades, Gilberto Kassab, depois da reunião semanal de coordenação política com a presidente Dilma Rousseff. O encontro se deu em meio a especulações sobre o desembarque do vice-presidente Michel Temer do posto de articulador político do governo. “O objetivo da reforma administrativa é o aumento da produtividade no setor público”, afirmou Barbosa. O ministro afirmou que o governo vai avaliar com todos os órgãos envolvidos quais ações serão tomadas.

Participaram da reunião desta segunda também o vice-presidente e os ministros da Ciência e Tecnologia, Aldo Rebelo; Civil House, Mercadante; da Secretaria de Comunicação Social, Edinho Silva; da Secretaria de Aviação Civil, Eliseu Padilha; da Secretaria-Geral da Presidência, Miguel Rossetto e das Comunicações, Ricardo Berzoini.

Veja.com

*** If you are in favor of a totally free and impartial press, collaborate enjoying our page on Facebook and visiting often the AM POST.

Latest news

Contact Terms of use Wp: (92) 99344-0505