18/04/2016 15h16 - Updated 18/04/2016 15h16

After taking spittle, Bolsonaro will enter suit against Jean Wyllys the House Ethics Council

Jean Wyllys admitiu cuspir no colega, afirma que não se arrepende e cuspiria de novo.
Photo: reproduction
Photo: reproduction

O deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) disse que vai entrar com uma representação no Conselho de Ética da Câmara contra o colega Jean Wyllys (PSOL-RJ), que admitiu ter cuspido em seu rosto durante a votação do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT), Sunday night, in Brasilia. Em entrevista ao EXTRA, Bolsonaro negou ter xingado Wyllys antes de levar a cusparada e ainda defendeu ter citado o coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra — militar apontado como responsável por perseguições e torturas nos anos de chumbo — em seu discurso para defender o afastamento da presidente.

Eu discursei e o deputado Jean Wyllys não deve ter gostado do que falei. Depois que ele deu o seu voto (against impeachment), saiu exaltado porque a votação já estava decidida. Foi nesse momento que me deu uma cusparada no rosto, que atingiu também deputados que estavam atrás de mim. Eu não o segurei, as câmeras vão mostrar isso. Também não o xinguei, vou chutar cachorro morto?”, declara Bolsonaro.

On the social networks, Wyllys disse que Bolsonaro tentou segurar o seu braço e o ofendeu com insultos homofóbicos. Em entrevista coletiva no Salão Verde da Câmara, o deputado do PSOL declarou que cuspiriaquantas vezesfosse necessário.

Nós estamos numa votação. Eu tenho direito político de fazer o voto que eu quero. Durante toda a votação eu não intervim no voto de ninguém. Não fui lá insultar ninguém. E, na hora que fui votar, esse canalha veio me insultar na saída e tentar agarrar meu braço, ele ou alguém que estivesse perto dele. Quando vi o insulto, devolvi cuspindo na cara dele, que é o que ele merece”, he said, Sunday night.

Jean Wyllys enfatizou ainda que não tem medo de enfrentar um processo disciplinar na Câmara.

Sobre o discurso no qual citou Brilhante Ustra, Bolsonaro disse que não o considera um torturador. Nos anos de chumbo, o militar homenageado pelo deputado chefiou o Doi-Codi, órgão de repressão do 2º Exército, in Sao Paulo, e foi apontado por dezenas de perseguidos políticos e familiares de vítimas do regime militar como responsável por perseguições, torturas e mortes de opositores do Golpe de 64.

Outros deputados citaram o Che Guevara e o Marighella. Eu estou do outro lado da moeda. O Ustra combateu a guerrilha no Brasil, grupos como o VAR-Palmares (no qual a presidente Dilma militou), que mataram muita gente. Estou sofrendo críticas por ter falado a verdade. Ficou provado que a Dilma e o PT são corruptos e assaltaram a Petrobras. Não vou dizer que o Temer é melhor, mas é preciso mudar”, justifica.

Source: Extra

*** If you are in favor of a totally free and impartial press, collaborate enjoying our page on Facebook and visiting often the AM POST.

Latest news

Contact Terms of use Wp: (92) 99344-0505