'I do not have accounts abroad, only expectation of rights', says Cunha

Deputado se defende nesta quinta-feira, no Conselho de Ética da Câmara.
19/05/2016 09h32 - Updated 20/05/2016 08h21
Photo: reproduction

O presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), faz nesta quinta-feira a sua própria defesa no Conselho de Ética da Casa. Durante seu depoimento que durou 13 minutes, Cunha afirmou que não temnenhum interessena postergação do processo, mas na celeridade dele, e ressaltou que não detém conta no exterior, nem patrimônio que estejasob sua propriedade”. O peemedebista ressaltou que pedirá a impugnação do relator Marcos Rogério (DEM RO). A representação contra o peemedebista o acusa de mentir na CPI da Petrobras ao negar que tinha contas no exterior.

Sobre as contas no exterior afirmou:

Não há elementos de prova que seja titular, dono da conta, que possa movimentar a conta. Não escondi nada. O que efetivamente existe é um trust, ao qual o patrimônio não me pertence, não fui autorizado a movientar a conta, não tenho titularidadeNão possuo investimentos não declarados. O que possuo é ser beneficiário de um trust, com expectativa de direitodisse Cunha, que continuou:

Se o objetivo fosse esconder patrimônio ou recurso certamente, pelo conhecimento técnico que disponho, teria constituído uma fundação, onde posso esconder patrimônio, beneficiário. O trust identifica adminsitração quem é o responsável – said Cunha.

Defesa de Eduardo Cunha no Conselho de Ética da CâmaraAndré Coelho / The agency Globe
Cunha anunciou que pedirá a impugnação do relator de seu processo, Mr Marcos Rogerio. Cunha argumentou que ele, que trocou o PDT pelo DEM, não pode relatar por pertencer a um partido que compõe o bloco do PMDB. O Argumento do peemedebista é que, por serem do mesmo bloco, Rogério estaria impedido de relatar. Cunha voltou a negar que tenha conta no exterior, e sim um trust, sobre o qual não movimenta e nem é o titular.

– Suddenly, anuncio que vou pedir a impugnação do relator, com todo respeito ao deputado Marcos Rogério. Desde o momento que ele se filiou ao DEM, partido do bloco do partido ao qual pertenço, a nulidade será contestadadisse Cunha.

MUDANÇAS NO CONSELHO
É a primeira vez que Cunha retorna à Câmara desde que foi afastado do cargo pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Nos últimos três dias ocorreram várias alterações na composição do conselho. Os deputados Cacá Leão (PP-BA) e Ricardo Barros (PP-PR) deixaram o colegiado. Leão renunciou à sua vaga Barros assumiu o Ministério da Saúde. Nos lugares dos dois o partido indicou um aliado de CunhaAndré Fufuca (PP-MA -, que o acompanha até em jogo de futebol, e um denunciado na Lava-JatoNelson Meurer (PP-PR). Essas mudanças não devem alterar a composição de forças no conselho. Os dois que saíram votaram a favor de Cunhacontra a abertura do processo contra o presidente afastadoe os que os substituem seguem a mesma linha. Last night, quarta, outra baixa no conselho. Erivelton Santana (PEN-BA) renunciou a titularidade do conselho. Or party, until now, não indicou seu substituto. Erivelton votou a favor de Cunha.

Com o depoimento de Cunha, se encerra a fase de instrução do processo, that is, a parte de ouvir depoimentos e levantar de provas. From there, o relator terá até dez dias úteis para apresentar seu parecer. Com o provável pedido de vista dos deputados, a tramitação será suspensa por dois dias úteis. After, acontece a votação. Cunha pode recorrer à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Somente depois o caso segue para votação no plenário.

Antes de ser iniciada a defesa, Deputy Carlos Marun (PMDB-MS) disse que a sessão será tumultuada. He said, como será o primeiro encontro de Cunha com que votaram contra o impeachment de Dilma Rousseff, o clima vai esquentar.

Será um novo festival de baixaria e ódio, como se deu na votação do impeachment. Agora com muito mais ódio, já que será o primeiro confronto entre os dois lados. Vamos manter a serenidade e reagir se tiver que reagirdisse Marun, um defensor ferrenho de Cunha no conselho.

O deputado Chico Alencar (PSOL-RJ) acredita que Cunha vai ser alvo de duros questionamentos e acredita que não se repetirá o volume de elogios ocorridos na sessão de março do ano passado, quando parlamentares até do PT, também do PSDB, elogiaram o peemedebista.

Há que ter parlamentares nesse conselho que desnudem esse festival de cinismo que é a defesa de Cunha. Ele sofrerá alguns questionamentos, mas não se repetirá aquela sessão do ano passado, que foi só de loas ao então presidente da Câmaradisse Alencar.

Source: The globe


*** If you are in favor of a totally free and impartial press, collaborate enjoying our page on Facebook and visiting often the AM POST.


Contact Terms of use Wp: (92) 99344-0505