Council punishes only spit warning Wyllys in Bolsonaro

Segundo justificativa de alguns membros do conselho a advertência foi escolhida por ser um caminho mais fácil e não necessariamente por ser a decisão mais justa para o caso.
05/04/2017 17h15 - Updated 6/04/2017 11h17
Photo: reproduction

O Conselho de Ética da Câmara dos Deputados resolveu nesta quarta-feira, 5, punir o deputado Jean Wylys (PSOL-RJ) por ter cuspido em Jair Bolsonaro (PSC-RJ) durante votação do impeachment de Dilma Rousseff, in April 2016. A sanção aprovada, However, foi apenas de uma advertência por escrito.

Na peça inicial, o relator do caso no Conselho, Ricardo Izar (PP-SP), havia pedido a suspensão do mandato do deputado por até quatro meses. Após protestos do Psol, ele reduziu a suspensão para trinta dias.

O relatório com a suspensão, However, foi rejeitado por 9 votos contra quatro. Proposta por Júlio Delgado (PSB-MG), a censura escrita foi aprovada por 13 votos a zero. O deputado ainda pode recorrer da decisão no plenário da Câmara. Caso opte por aceitar a advertência, o documento será lido no plenário do Legislativo por Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Segundo justificativa de alguns membros do conselho a advertência foi escolhida por ser um caminho mais fácil e não necessariamente por ser a decisão mais justa para o caso. “Tenho medo que o povo comece é a cuspir em nós ai na rua”, afirmou o deputado Jorginho Melo que defendeu a advertência como uma forma de não alongar mais o assunto.

Muito avaliaram que não caberia aprovar a suspensão já que essa decisão deveria ser ratificada ou não plenário da Câmara, o que ampliaria o que eles avaliam como desgaste de imagem da Câmara sendo que o relator do caso acusava o deputado de açãotorpeque comprometia a imagem do Congresso.

‘Cuspiria de novo
Logo após o Conselho de Ética da Câmara aprovar a advertência Wyllys afirmou em entrevista que cuspiria de novo em Jair Bolsonaro (PSC-RJ).

O parlamentar aproveitou a decisão do conselho para dizer que faria novamente. “Naquela circunstância, eu cuspiria de novo. Se você me perguntasse isso antes daquele dia, eu diria que eu jamais cuspiria na cara de uma pessoa, porque meus valores não permitem isso. But, depois de seis anos sendo insultado, sendo difamado (…), eu cheguei no meu limite. E aí eu cuspi por esse motivo e cuspiria de novo”, afirmou Jean.


*** If you are in favor of a totally free and impartial press, collaborate enjoying our page on Facebook and visiting often the AM POST.


Contact Terms of use