exonerated ministers to vote in the House return to positions

At the sitting of the House, they voted to reject the admissibility of the complaint against the president for the alleged crime of accepting bribes.
03/08/2017 10h50 - Updated 3/08/2017 16h40

Os ministros que foram exonerados para reassumir o mandato de deputado federal e retornar à Câmara para participar da votação de ontem (2) sobre a admissibilidade da denúncia contra o presidente Michel Temer retornaram aos cargos. As nomeações dos dez ministros estão publicadas na edição de hoje (3) the Official Gazette.

As exonerações foram publicadas no Diário Oficial da União de ontem. At the sitting of the House, they voted to reject the admissibility of the complaint against the president for the alleged crime of accepting bribes. A maioria dos parlamentares aprovou o relatório do deputado Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG), favorável à rejeição da denúncia o que impede que o Supremo Tribunal Federal (STF) investigue Temer.

Os ministros que reassumiram os cargos foram Antonio Imbassahy, chefe da Secretaria de Governo da Presidência da República; José Mendonça Filho, the Ministry of Education; Bruno Cavalcanti Araújo, the Ministry of Cities; Fernando Bezerra, the Ministry of Mines and Energy; Osmar Terra, do Ministério do Desenvolvimento Social; Leonardo Picciani, do Ministério do Esporte; José Sarney Filho, the Ministry of Environment; Ronaldo Nogueira, the Ministry of Labour; Marx Beltrao, do Ministério do Turismo; and Mauritius Quintella, do Ministério dos Transportes, Ports and Civil Aviation.

Esta não foi a primeira vez que ministros retornam ao Congresso para votar em matéria de interesse do governo. In October last year, Temer exonerou dois ministros para que votassem a proposta de emenda à Constituição (PEC) que prevê um teto para os gastos públicos. In April this year, o presidente usou o mesmo recurso na votação do projeto da reforma trabalhista, which was approved.

Agenda do presidente
Após a agenda intensa de reuniões e compromissos com parlamentares nos últimos dias, o único compromisso do presidente Michel Temer previsto para hoje é um despacho interno pela manhã. A agenda pode sofrer alterações com a inclusão de compromissos ao longo do dia.

Em pronunciamento na noite de ontem, o presidente disse que, com a rejeição da denúncia contra ele na Câmara dos Deputados, seguirá com as reformas e ações que julga necessárias para modernizar e melhorar o país.


*** If you are in favor of a totally free and impartial press, collaborate enjoying our page on Facebook and visiting often the AM POST.


Contact Terms of use