20/08/2015 08H26 - Actualizado 20/08/2015 08H26

Abogado puede pedir a la salida de la cuña de la presidencia de la Cámara

Cunha é suspeito de envolvimento no esquema de corrupção na Petrobras.
foto: Ueslei Marcelino/Reuters
foto: Ueslei Marcelino/Reuters

A denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra el alcalde, Adjunto Eduardo Cunha (PMDB-RJ), por suspeita de envolvimento no esquema de corrupção na Petrobras, pode vir acompanhada de um pedido de afastamento dele do comando da Casa, avaliam ao jornal O Estado de S. Paulo fontes envolvidas nas investigações da Operação Lava Jato. Essa tese havia se fortalecido na última semana, quando o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, escribió, em parecer, que a Câmara atuou emexclusivo interesse particularde Cunha ao ingressar no STF para anular provas contra o peemedebista. Há expectativa de que a denúncia seja apresentada até esta quinta-feira. Cunha rechaçou na quarta-feira a possibilidade de deixar o cargo.

Embora o afastamento do cargo de um presidente da Câmara por meio de decisão judicial seja considerado uma situação complexa (por afetar outro Poder), alguns juristas consultados consideram, a depender dos argumentos apresentados pela PGR, que há respaldo jurídico para o pedido de afastamento no momento em que a denúncia for recebida.

O oferecimento de denúncia consiste em uma acusação formal feita pelo Ministério Público Federal contra os políticos por entender que já há indícios de provas suficientes para que eles respondam uma ação penal. Eles só se tornam réus após o STF receber a denúncia, o sea, aceitar a acusação proposta pela PGR. No caso de Cunha, a decisão sobre a abertura da ação penal deve ser tomada pelo plenário do Supremo, que continua responsável por analisar investigações criminais de presidentes das Casas Legislativas.

Para um ministro do Supremo, o pedido de afastamento de Cunha do comando da Câmara seria algomuito radical”, mas ele não rejeita a possibilidade de que isso seja feito. “Do ponto de vista técnico, não é algo impossível, não é algo que seja vedado. Há condições de ser feito, mas é preciso ter graves motivos para isso ser feito”, evaluado.

Já o ex-ministro do STF Ayres Britto diz que a possibilidade de pedido de afastamento se dá com base em um artigo do Código de Processo Penal. “A meu juízo, Artículo 319 inciso 6 do Código de Processo Penal se aplica ao presidente da Câmara e do Senado, independentemente de quem seja, desde que haja recebimento da denúncia e de que seja ultrapassada a fase do inquérito”, argumentó.

fuente: Veja.com

*** Si usted está a favor de una prensa totalmente libre e imparcial, colaborar disfrutando de nuestra página en Facebook y visitar a menudo el AM Mensaje.

Ultimas Noticias

contacto Condiciones de uso wp: (92) 99344-0505