Contratistas superadas en el curso sin cerrar nuevos contratos

Camargo Corrêa, Odebrecht e Mendes Júnior não conseguiram fechar um único contrato.
23/11/2015 10h25 - Actualizado 23/11/2015 10h25
foto: Rodrigo Paiva / Reuters

Depois de crescer a uma taxa média anual de quase 4% na última década, as empreiteiras entraram em um rápido processo de declínio. A situação tem sido tão complicada que algumas das maiores construtoras do paíscomo Camargo Corrêa, Odebrecht, e Mendes Júniornão conseguiram fechar um único contrato no decorrer deste ano. Os dois principais motivos ainda são os efeitos da Operação Lava Jato, que investiga corrupção em contratos com a Petrobras, e a recessão econômica, que afundou os investimentos públicos e privados no Brasil.

O resultado tem sido uma enxurrada de demissões (más que 500 mil empregos foram cortados no setor neste ano), vários ativos à venda para fazer caixa e centenas de empresas em recuperação judicial (253 construtoras em processo de recuperação entre janeiro e setembro). Neste cenário, a expectativa é de que o Produto Interno Bruto (INICIO) do setor feche o ano com queda de 11%, segundo cálculos da consultoria GO Associados.

De acordo com a Odebrecht, líder do ranking nacional de construtores, o cenário econômico afetou os investimentos em infraestrutura, “o que é a causa principal de a empresa não ter conquistado novos contratos no Brasil”. Outras gigantes, como Andrade Gutierrez, Queiroz Galvão e Galvão Engenharia estão em situação semelhante, afirmaram fontes. buscado, as três não quiseram comentar o assunto.

fuente: Veja.com


*** Si usted está a favor de una prensa totalmente libre e imparcial, colaborar disfrutando de nuestra página en Facebook y visitar a menudo el AM Mensaje.


contacto Condiciones de uso wp: (92) 99344-0505