15/12/2015 10h34 - Actualizado 15/12/2015 10h34

‘É equívoco ligar corte no Bolsa Família a meta fiscal’, diz Levy

O ministro voltou a defender nesta terça-feira a meta de superávit primário.
foto: VEJA.com/Folhapress
foto: VEJA.com/Folhapress

El Ministro de Hacienda, Joaquim Levy, voltou a defender nesta terça-feira a meta de superávit primário do setor público consolidado equivalente a 0,7% Producto Interno Bruto (INICIO) para el próximo año, afirmando que o Bolsa Família não deve interferir nas discussões. “Acho ela (a redução da meta) um inconveniente e um equívoco essa mistura da meta por causa do Bolsa Família. A meta é a meta, Bolsa Família é Bolsa Família”, disse Levy a jornalistas ao chegar a um evento, en Brasilia. “Obviamente ninguém vai querer se esconder atrás do Bolsa Família para não tomar as medidas necessárias para o Brasil ir no rumo correto, no rumo da preservação dos empregos”, terminado.

A meta de 2016 para economia destinada a pagamento de juros da dívida do setor público consolidadogoverno central, Estados, municípios e estatais– es de 43,8 millones de reales, o 0,7% START revuelo. Só para o governo central (Gobierno federal, Banco Central e Previdência), o objetivo é de 34,4 millones de reales.

Sin embargo, o relator do Orçamento de 2016, deputado Ricardo Barros (PP-PR), apresentou na semana passada seu relatório final com cortes de 12,2 millones de reales, y 10 bilhões de reais do Bolsa Família. tan, ele não acatou os pedidos do governo de preservar o programa social.

O líder do governo na Comissão Mista de Orçamento (CMO), deputado Paulo Pimenta (PT-RS), também reafirmou que defende reduzir ou zerar a meta de superávit primário de 2016. A representantes da comissão, Levy teria dito que deixa o cargo, caso a meta seja zerada.

Segundo fontes do governo ouvidas pelo jornal O Estado de S. Paul, a presidente Dilma Rousseff estaria disposta a reduzir a meta para as contas públicas de 2016 de 0,7% do PIB para 0,5% para preservar o Bolsa Família e não fortalecer o processo de impeachment.

Votações
Segundo Levy, é preciso focar na votação de medidas que são importantes e foram mandadas há dois ou três meses ao Congresso Nacional. Entre as medidas provisórias enviadas pela Fazenda, está a 690, que trata da incidência do Imposto de Produtos Industrializados (IPI) sobre bebidas e fim da isenção de PIS/Cofins sobre eletrônicos.

São medidas que inclusive têm mudanças que aumentam a progressividade do imposto de renda, trazem a adequada distribuição do esforço fiscal, inclusive para as camadas de maior renda que estão ansiosas para participar do esforço fiscal para trazer o Brasil de volta ao crescimento econômico”, dicho.

fuente: Veja.com

*** Si usted está a favor de una prensa totalmente libre e imparcial, colaborar disfrutando de nuestra página en Facebook y visitar a menudo el AM Mensaje.

Ultimas Noticias

contacto Condiciones de uso wp: (92) 99344-0505