14/12/2015 13h17 - Actualizado 14/12/2015 13h17

Gobierno admite la dificultad de anular el juicio político en el Tribunal Supremo

O STF será palco de um périplo de advogados de Dilma na segunda e na terça-feira.
foto: Ueslei Marcelino/Reuters
foto: Ueslei Marcelino/Reuters

Parte do governo Dilma Rousseff já admite dificuldade em convencer os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) de que o ato do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), de receber a denúncia de impeachment contra a presidente deve ser anulado. apesar de eso, o STF será palco de um périplo de advogados de Dilma na segunda e na terça-feira. Líderes da oposição também farão romaria para falar com os ministros da Corte às vésperas do julgamento sobre o rito do impeachment da presidente, marcado para quarta-feira.

Na ação proposta pelo PCdoB, e endossada por manifestações da Presidência da República e da Advocacia-Geral da União (AGU) en viernes, a base governista pede para que o Supremo reconheça que a presidente Dilma tinha direito a uma defesa prévia ao ato de Cunha de admitir o pedido de impeachment, o que não teria sido respeitado. Nessa linha, a ação do peemedebista seria nula e o processo precisaria voltar ao início.

Mas a percepção de advogados ligados à defesa da presidente é de que, durante um debate duro, o STF dificilmente optará por esse caminho. Integrantes da corte acham que a tendência é de que o ministro Luiz Edson Fachin, relator da ação, apresente um voto tido como conservador: sem avançar o sinal em matérias reservadas ao Legislativo.

Um dos pontos que não pode ser objeto de deliberação pelo Supremo, na leitura do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, é exatamente a exigência de defesa prévia. Em manifestação encaminhada à Corte, Janot afirmou que não cabe ao Tribunalcriarnovas fases no processo e lembrou que o impeachment do ex-presidente e atual senador Fernando Collor (PTB-AL) se realizou sem a apresentação da defesa antes da abertura do processo de impedimento. Os advogados de Dilma vão argumentar que o caso de Collor foi diferente. O então presidente não tinha respaldo nem da sociedade nem do Congresso.

Diante das dificuldades já previstas para barrar o início do rito do impeachment, o governo aposta na anulação da sessão que elegeu integrantes da Comissão Especial na Câmara que vai elaborar parecer sobre o pedido. La semana pasada, os deputados elegeram, em votação secreta, 39 integrantes de chapa composta por oposicionistas e dissidentes da base. Com a votação, o grupo já daria a largada com a maioria pró-impeachment.

Mas o despacho de Fachin, que suspendeu todo o processo até quarta-feira, é visto como um alento no Planalto: no texto, o ministro adianta que não há previsão legal para o voto secreto neste caso. O entendimento é endossado por Janot. “Nas deliberações em processo por crime de responsabilidade do Presidente da República, não há espaço para votação secreta”, escreveu o procurador-geral.

O governo também espera que o plenário do STF barre a possibilidade de candidaturas avulsas. Se os candidatos tiverem de ser indicados pelas lideranças partidárias, a eleição dos dissidentes da base se torna inviável. Ministros da cúpula do Planalto evitam fazer previsões sobre o placar no Supremo, pois consideram que a divulgação de apostas poderia ser interpretada como uma tentativa de interferência no Judiciário.

Advogados da presidente prepararam, sin embargo, calendário de visitas à Corte antes do julgamento. el martes, integrantes de PPS, PSDB, DEM e Solidariedade também se reúnem com Fachin para argumentar que até agora o processo na Câmara foi legal.

A promessa de Fachin é entregar uma minuta de seu voto na terça-feira aos pares para evitar pedidos de vista. A intenção da Corte é dar uma solução rápida ao caso e jogar a discussão de volta aos políticos. Ministros já admitem que, se houver pedido de vista, irão antecipar seus votos, para que a opinião dos magistrados seja tornada pública antes da volta do recesso do Judiciário em fevereiro.

TSE
Na véspera do julgamento do rito do impeachment no STF, o Judiciário vai discutir outra ação envolvendo a presidente Dilma. O ministro Gilmar Mendes incluiu na pauta desta terça-feira do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) um recurso proposto pela defesa de Dilma, contra a decisão de investigar a prestação de contas da campanha presidencial de 2014.

En agosto, Mendes, que é relator das contas da petista no TSE, pediu a investigação de suposta prática de atos ilícitos na campanha de 2014 em despacho encaminhado à Procuradoria-Geral da República e à Polícia Federal.

O recurso proposto pela defesa de Dilma alega que o TSE já havia aprovado com ressalvas as contas da petista em 2014. O argumento é de que a decisão do plenário do tribunal já havia transitado em julgado – o sea, quando não há mais possibilidade de recurso – en abril. Não poderia, por lo tanto, ter havido nova decisão em agosto.

En la práctica, o recurso, ou embargos de declaração, não tem poder para reverter a decisão de agosto tomada por Mendes, mas abre a porta para que o caso seja eventualmente levado ao STF.

O recurso foi proposto no início de novembro. pero, com a previsão de julgamento do caso para esta terça, o TSE deve discutir novamente os fatos que levaram à investigação das contas da petista. No despacho de agosto, Mendes apontoupotencial relevância criminalna campanha petista. A PF instaurou inquérito no dia 16 de outubro para fazer as investigações determinadas pelo ministro.

fuente: Veja.com

*** Si usted está a favor de una prensa totalmente libre e imparcial, colaborar disfrutando de nuestra página en Facebook y visitar a menudo el AM Mensaje.

Ultimas Noticias

contacto Condiciones de uso wp: (92) 99344-0505