11/01/2016 11h05 - Actualizado 12/01/2016 09h27

proyecto de saneamiento de Brasil van a sufrir de retardo 20 años

O serviço só chegará a todos os brasileiros, después 2050.
foto: Filipe Araújo / AE / SEE

Mantendo-se o ritmo atual, o serviço de saneamento básico no Brasil, que inclui coleta de esgoto e rede de água, só chegará a todos os brasileiros, después 2050. O sea, más que 20 anos depois do prazo previsto pelo governo federal, mostra um estudo da Confederação Nacional da Indústria (CNI). De acordo com reportagem desta segunda-feira do jornal Folha de S.Paulo, os gastos para cumprir a meta estabelecida pelo próprio governo no Plano Nacional de Saneamento Básico (Plansab) são insuficientes e seria necessário que fossem dobrados para alcançá-la.

Según el estudio, a principal vilã do baixo desempenho do setor é a burocracia para fazer as obras de canalização de esgoto e implantação de rede de água. “O município faz um projeto para saneamento, mas demora 22 meses para que o governo libere o recurso”, diz Ilana Ferreira, analista de políticas e indústria da CNI.

Saneamento é essencial para a vida da população. Quando ele não existe, ou é precário, é possível que haja prejuízo para todos. O sistema de saúde se sobrecarrega com crianças e adultos doentes. E as empresas também saem prejudicadas, com mais ausências no trabalho e dificuldades para fazer investimentos. “A correlação das regiões de IDH baixo e áreas com baixo índice de atendimento de serviço de saneamento é alta”, aponta Ilana.

Entre 1996 mi 2006, o país conseguiu sair de 40% para 48% de domicílios com rede de esgoto. De 2007 un 2013, o país chegou a 58%. Mas as metas do Plansab seriam chegar a 2023 com a universalização do serviço de água (100%) e dez anos depois, com o de esgoto (cerca de 90%). No ritmo atual, esses porcentuais só serão alcançados em 2043 mi 2053, respectivamente, segundo o levantamento.

Para Ilana, um fator primordial para a falta de recursos é a dificuldade das empresas que fazem o saneamento, a maioria estatais, para reduzir suas perdas. de acuerdo con su, 37% da água distribuída não é recebida, reduzindo a quantidade de recursos que as companhias arrecadam e, con eso, sua capacidade de investir.

O Ministério das Cidades informou que considera o andamento do Plansabdentro dos parâmetros adequados”. Segundo a nota do ministério, mesmo com a crise, os atrasos foram consideradosapenas um deslizamento de cronogramasque podem ser recuperados em momentos de retomada de crescimento.

fuente: Veja.com

*** Si usted está a favor de una prensa totalmente libre e imparcial, colaborar disfrutando de nuestra página en Facebook y visitar a menudo el AM Mensaje.

Ultimas Noticias

contacto Condiciones de uso wp: (92) 99344-0505