Cámara aprueba MP con medidas para luchar contra el dengue, zika e Chikungunya

Não havia votação desde o afastamento de Cunha, no dia 5 mayo.
19/05/2016 06h56 - Actualizado 19/05/2016 09h35
foto: reproducción

Tratando de reanudar el trabajo normal de, la Cámara de Representantes aprobó ayer (18) Medida provisional 712/15, que se ocupa de las medidas para combatir el virus Zika, el dengue e febre a Chikungunya. O plenário da Câmara não votava nada desde o afastamento de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) da presidência da Casa, no dia 5 mayo.

Una propuesta, que segue agora para o Senado, autoriza a entrada de autoridades em imóveis públicos e privados considerados foco de mosquitos transmissores das doenças. A medida será aplicada nos casos de imóveis em situação de abandono, na ausência de pessoa que possa permitir o acesso após duas visitas comunicadas dentro do intervalo de dez dias e nos casos de recusa, negativa ou impedimento de acesso do agente público ao imóvel.

O texto estabelece o sábado como dia de realização de atividades de limpeza dos imóveis, a necessidade de campanhas educativas, em especial às gestantes, de orientação à população e também cria o Programa Nacional de Apoio ao Combate às Doenças Transmitidas pelo Aedes aegypti (Pronaedes), de modo a financiar projetos com recursos de doações dedutíveis do Imposto de Renda.

A aprovação da medida contou com apoio das bancadas do PT, PDT e PCdoB, que retiraram a obstrução ao governo interino de Michel Temer. “Trabalhamos preventivamente, dando as garantias necessárias ao tratamento da microcefalia. Por eso, não podemos ser instrumento de obstrução”, disse a deputada Moema Gramacho (PT-BA).

Waldir Maranhão

A medida aprovada é uma das quatros MPs que trancam a pauta da Câmara. Assim como ocorreu ontem (17), o presidente em exercício da Casa, Waldir Maranhão (PP-MA), não comandou os trabalhos, que ficaram a cargo do deputado Giacobo (PR PR), vicepresidente segundo de la Cámara.

Más temprano, durante a reunião de lideranças, líderes de vários partidos fizeram pressão para que Maranhão abrisse mão de comandar as sessões de votação, com o argumento de que ele não tem condições morais de comandar a Casa.

“Temos de trazer de volta a normalidade da Câmara e ela não será conseguida com Waldir Maranhão, “Entendemos que a Casa, por mais que vote algumas matérias, não está na normalidade”, afirmou o líder do DEM, Pauderney Avelino (A.M).

Parlamentares de vários partidos insistem na saída de Maranhão da presidência e a realização de novas eleições. “A Casa não voltou à normalidade. Para eso, tem de eleger um novo presidente”, acrescentou o líder do PPS, Rubens Bueno (PR).

fuente: Agencia Brasil


*** Si usted está a favor de una prensa totalmente libre e imparcial, colaborar disfrutando de nuestra página en Facebook y visitar a menudo el AM Mensaje.


contacto Condiciones de uso wp: (92) 99344-0505