Las bombillas incandescentes de salida del mercado al final del mes

Los últimos modelos con el permiso de ventas en Brasil ya no se negocian día 30 junio.
11/06/2016 11h45 - Actualizado 11/06/2016 11h45
foto: reproducción

As lampadas incandescentes de todos os modelos deixarão de ser vendidas no Brasil a partir do dia 30 junio. Últimas do tipo que ainda podiam ser comercializadas, as de potência entre 25W e 40W, de uso decorativo, terão de deixar o mercado no fim deste mês. A proibição visa a elevar a participação, nos lares brasileiros, de modelos com maior eficiência energética.

A regra vale para importação e comercialização das lâmpadas incandescentes de uso geral em território brasileiro. A saída gradual desse tipo de lâmpada das prateleiras começou em junho de 2012, com a exclusão dos modelos de potência igual ou superior a 150W.

Fabricantes, importadores e comerciantes que não atenderem à legislação estarão sujeitos a penalidades previstas em lei, com multas que variam de R$ 100 un R $ 1,5 millón. Fiscais dos Institutos de Pesos e Medidas (IPEM), órgãos delegados do Instituto Nacional de Metrologia, Calidad y Tecnología (INMETRO) nos estados, iniciarão operações no varejo para fazer valer a medida.

Mais barata na gôndola, a lâmpada incandescente consome quatro vezes mais energia que a fluorescente compacta e dura de oito a dez vezes menos. De acordo com o Inmetro, uma família que mora em uma casa de dois quartos gasta, en media, R $ 20 un 30 por mês para iluminar a residência com lâmpadas incandescentes de 60W, ao passo que se optar pela troca por lâmpadas fluorescentes compactas, terá seus gastos mensais reduzidos para até R$ 4.

Segundo dados da Organização das Nações Unidas (informática), a substituição das lâmpadas incandescentes no mercado é capaz de economizar anualmente cerca de 5% de toda a energia elétrica utilizada no mundo. Uma lâmpada fluorescente compacta, comparada a uma lâmpada incandescente de luminosidade equivalente, ahorra 75%. E se a opção for por uma lâmpada de LED, esta economía se eleva a 85%.

Os modelos mais econômicos já são adotados amplamente em outros países como China, India, Reino Unido, Estados Unidos, Canadá, Cuba, Australia, Argentina, Venezuela, na União Europeia.

fuente: El globo


*** Si usted está a favor de una prensa totalmente libre e imparcial, colaborar disfrutando de nuestra página en Facebook y visitar a menudo el AM Mensaje.


contacto Condiciones de uso wp: (92) 99344-0505