• Caged mostra que Brasil perdeu 91 mil postos formais de trabalho em junho

    O resultado mantém a tendência de mais demissões que contratações no mercado de trabalho.
    27/07/2016 17h12 - Actualizado 27/07/2016 17h12

    Foto: reproducción


    En junio, 91.032 vagas de empregos formais foram fechadas no país, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) lanzado hoy (27) pelo Ministério do Trabalho. O resultado mantém a tendência de mais demissões que contratações no mercado de trabalho.

    Sin embargo, o resultado melhorou em relação a junho de 2015, quando foram fechados 111.199 postos formais. No acumulado deste ano, o Caged contabiliza 531.765 vagas fechadas e, nos últimos 12 meses, o saldo chega a 1,765 milhão de postos com carteira assinada a menos.

    O setor de serviços registrou a maior queda de vagas formais em junho deste ano, com fechamento de 42.678 postos de trabalho. O setor inclui a atividade bancária, transportes, comunicações, ensino e serviços médicos, por ejemplo.

    A indústria da transformação teve a segunda maior perda de postos, com fechamento de 31.102 vacantes. A construção civil fechou 28.149 vagas e o comércio, 26.787 postos.

    As únicas atividades com novas vagas abertas foram a agricultura e a administração pública. A primeira abriu 38.630 postos em junho e a segunda, 790 vacantes.

    As maiores perdas de postos de trabalho foram registradas em São Paulo, com fechamento de 29.914 vacantes. Em segundo lugar está Rio de Janeiro, com recuo de 15.748, e em terceiro o Rio Grande do Sul, com menos 10.340 vacantes.

    O emprego formal teve resultado positivo somente em oito unidades da Federação em junho. Foram elas: Minas Gerais (4.567), Goias (3.369), Mato Grosso (2.589), Acre (191), Piauí (101), Amapá (54), Mato Grosso del Sur (35) e Maranhão (17).

    Divulgado desde 1992, o Caged registra as contratações e as demissões em empregos com carteira assinada com base em declarações enviadas pelos empregadores ao Ministério do Trabalho.

    Fuente: Agencia Brasil


    *** Si estás a favor de una prensa totalmente libre e imparcial, colaborar disfrutando de nuestra página en Facebook y visitando frecuentemente el AM POST.


    Facebook

    economía

    Contacto Terminos de uso