Gobierno anuncia medidas de pacificación en las cárceles de la Amazonía

El Gobierno de Amazonas mantiene un Comité de Manejo de Crisis del Sistema Penitenciario, con el liderazgo de la SSP y la SEAP.
09/01/2017 16h28 - Actualizado 10/01/2017 09h45
foto: revelación

El gobernador de Amazonas, José Melo, se reunió el lunes, 9 de enero, representantes de los tres poderes para discutir soluciones a los problemas del sistema penitenciario del Estado. en la reunión, el gobierno del estado presentó las medidas que ha adoptado desde el comienzo de los acontecimientos en las cárceles y oído propuestas de mejoras en el sistema de. El grupo debe volver a reunirse en un mes.

La reunión tuvo lugar en la oficina de José Melo, la sede del gobierno estatal, zona oeste de la capital. gobierno, a la que asistieron los Secretarios de Seguridad Pública, Sergio Fontes, de Administración Penitenciaria, Peter Florence, el Fiscal General del Estado, Heloysa Simonetti, y el jefe de gabinete, José Alves Pacífico.

Durante la reunión, José Melo dijo que las medidas de emergencia adoptadas por el gobierno estatal. El Gobierno de Amazonas mantiene un Comité de Manejo de Crisis del Sistema Penitenciario, con el liderazgo de la SSP y la SEAP. Todos os procedimentos investigatórios para apurar as causas da rebelião nas unidades prisionais estão acontecendo, segundo ele anunciou. Uma Força-Tarefa de investigação está formada por delegados de unidades especializadas com a coordenação dos delegados Ivo Martins, Tarson Yuri e Rodrigo de Sá Barbosa com o objetivo de identificar os líderes do movimento, responsabilizá-los criminalmente e fazer a transferência para presídios federais.

“Cuidamos de melhorar a segurança interna, a PM ajudou no reforço das muralhas, está presente em todas as unidades prisionais, isso já inibe uma ação. Também foi colocada uma barreira na entrada dos ramais, só está entrando funcionários e advogados. Essas medidas foram previstas para pacificar. Retiramos de todas as unidades prisionais os internos que não tinham convivência, que eram ameaçados e que se diziam integrantes de outra organização criminosa, que foram transferidos para a Vidal Pessoa”, elencou o titular da Seap, Pedro Florencio.

amenazas
El Secretario de Seguridad Pública, Sergio Fontes, relembrou que desde o ano passado o governo estava monitorando as ameaças de fugas e rebeliões nos presídios de Manaus. Trabalho que vem sendo feito integrado com órgãos de várias esferas e que culminou com a implantação em outubro de 2016 un Comité de Gestión de Crisis del Sistema de Seguridad Pública, con representantes de los Estados, federais e órgãos municipais.

“O governo tem se preocupado com essa questão desde outubro, com a possibilidade de haver convulsões por conta dos presos da operação La Muralha. Essa atividade colegiada nossa é antiga. Pero ahora, la crisis, essa atividade teve que subir níveis. Não pode mais ser no nível operacional, tem que ser no nível de gestão, com presidentes dos tribunais, procurador geral de justiça, pessoas que respondam por suas instituições. É isso que o governador tem procurado fazer e é isso que fez agora”, enfatizou Fontes.

Dos demais poderes, fizeram parte o presidente do Tribunal de Justiça do Estado, El juez Flavio Pascarelli, além dos chefes do Ministério Público Federal no Amazonas, Policía federal, da Defensoria Pública do Estado e da Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil. O deputado estadual Abdala Fraxe representou a Assembleia Legislativa do Estado.

“É positivo o Estado conduzir a resolução dessa crise de modo transparente e colaborativo. varios órganos, cada um com sua respectiva ótica, tem algo a contribuir nessa resolução do sistema. A questão penitenciária hoje é muito mais complexa do que anos atrás e seja talvez a ponta mais complexa do nível da segurança pública, porque hoje essas duas questões precisam ser combatidas em conjunto”, disse o procurador chefe do MPF, Edmilson Barreiros.

fuerza nacional
O secretário Sérgio Fontes também falou da expectativa de reforço com a vinda de policiais da Força Nacional de Segurança. O pedido foi encaminhado pelo governador José Melo ao Ministério da Justiça no domingo, 8 de enero.

“Estamos com várias frentes de combate. al principio, tínhamos total controle com os nossos meios. Mas esses meios têm se mostrado insuficientes porque a crise permanece e a tropa, especialmente da Polícia Militar que sempre é chamada para esses eventos, está cansada. Então nós precisamos agora de um efetivo apenas para cuidar do sistema prisional, porque a Força Nacional tem essa característica. É uma tropa ostensiva, e não de investigação, e virá, paralelo a isso, uma equipe especializada do Depen para avaliar os nossos protocolos, dar sugestões, capacitar y llevar el equipo que puede optimizar la recuperación del control del sistema penitenciario ", aclaró el titular de la SSP.


*** Si usted está a favor de una prensa totalmente libre e imparcial, colaborar disfrutando de nuestra página en Facebook y visitar a menudo el AM Mensaje.


Facebook

economía

contacto Condiciones de uso