Los estudios de investigación del sistema digestivo de las larvas de Arapaima para determinar las estrategias alimentarias y soluciones para la formulación del alimento

O estudo pretende contribuir para a cadeia produtiva do pirarucu, aumentando a sobrevivência dos alevinos.
16/03/2017 12h11 - Actualizado 17/03/2017 09h16

foto: Erico Xavier / Fapeam


O Pirarucu (Arapaima gigas), peixe típico da região amazônica, é o foco de uma pesquisa científica desenvolvida no Amazonas que está estudando o sistema digestório das larvas da espécie. O conhecimento dos eventos relacionados à diferenciação dos órgãos do sistema digestório e da atividade das enzimas digestivas é essencial para avaliar a capacidade de digestão do peixe, es así, oferecer soluções para a formulação de rações e determinar manejos alimentares para essa fase de vida delicada pela qual o peixe passa. Dessa forma o estudo pretende contribuir para a cadeia produtiva do pirarucu, aumentando a sobrevivência dos alevinos, pela formulação de dietas nutricionalmente completas para a fase inicial do seu desenvolvimento.

O projeto que ganhou o nome de Gigas – relativo ao nome científico do pirarucu- é desenvolvido com apoio do Governo do Estado do Amazonas via Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) por meio do Programa de Apoio à Pesquisa Universal – Amazonas, en colaboración con el Instituto Nacional de Investigaciones de la Amazonia (INPA), Coordinación de Mejoramiento de la Educación Superior de Personal (Capes) e Universidade Nilton Lins.

A coordenadora do estudo, a doutora em Zootecnia Ligia Uribe Gonçalves, do INPA, disse que a larvicultura é conhecida como um período crítico da criação de peixes, pois nessa fase os animais passam por um conjunto de transformações morfológicas e fisiológicas (a metamorfose), e precisam se adaptar ao ambiente que vivem, digerir e absorver nutrientes em um trato gastrointestinal ainda em desenvolvimento.

A pesquisadora informou que há uma escassez de estudos sobre os processos envolvidos na fase de transição entre o alimento vivo e seco para o pirarucu, considerado, Actualmente, a espécie mais promissora para a aquicultura brasileira. Ligia explica que durante essa fase é comum observar altas taxas de mortalidade, cerca de 60 un 80%, em consequência de uma nutrição e alimentação deficiente e uma elevada incidência de patógenos.

“Nós queremos conhecer as transformações que acontecem no sistema digestório da larva, e com isso, poderemos propor rações para que a larva possa comer e utilizar eficientemente o alimento. Precisamos fazer rações para que a larva consiga de fato comer, digerir e absorver nutrientes, para isso ela precisa ter órgãos digestivos bem funcionais”, explicou Ligia.

As larvas são trazidas da Piscigranja Boa Esperança, que fica na cidade de Pimenta Bueno, no estado de Rondônia. No local, eles contam com o apoio do piscicultor Megumi Yokoyama. en 2016, foi realizada a primeira etapa do projeto, quando foi feita a coleta dos animais para as análises histológicas e enzimáticas.

Pesquisador visitante

O projeto Gigas: “Análise Morfo-Fisiológica do Trato Gastrointestinal de Pirarucu (Arapaima gigas) como Base para Formulação de Dietas na Fase Inicial” conta com a participação do doutor em Nutrição de Peixes Luís Conceição, que veio, directamente, de Portugal por meio do projeto Pesquisador Visitante Especial, ação desenvolvida pelo Programa Ciências sem Fronteiras.

Luís Conceição, que visita cerca de duas vezes ao ano a cidade de Manaus, comparou as larvas do peixe a um bebê e disse que ninguém começa dando um filé mignon, por ejemplo, a uma criança, mas sim papinhas, posteriormente sopinhas, e assim consequentemente. A mesma coisa acontece com as larvas de peixe, explicó.

Hasta el momento, a equipe identificou que não parece haver grande diferenciação na capacidade de digestão nas diferentes idades das larvas do pirarucu, desde a sua captura quando estão nadando no viveiro com os pais e até aos 30 dias de idade. O pesquisador informou que as larvas do pirarucu possuem o sistema digestório bem formado precocemente, comparado a outras espécies de peixes que são mais prematuras.

“O maior progresso que fizemos foi estabelecer condições para termos um bom manejo do Pirarucu. E isso foi algo que fizemos, en 2016, na cidade de Pimenta Bueno. No local, podemos ver de perto a forma como o produtor fazia e também aprendermos com ele. O peixe vai crescendo e vamos avaliando as adaptações a fazer na alimentação. Acreditamos que também fazendo uma boa ração vamos conseguir melhorar o desempenho e reduzir os problemas de parasitas das primeiras idades do pirarucu”, dijo Conceição.

A pesquisadora Ligia contou que espera identificar as necessidades nutricionais do pirarucu, desde pequenos, para assim propor formulações de rações que resultem em peixes mais resistentes e com maior crescimento. Isto permitirá aumentar a produtividade e sobrevivência da espécie, nessa fase delicada em qual passa de larva a juvenil.

“Queremos formular uma ração também em parceria com o Luís, pois além de ser doutor em Nutrição de Peixes, ele também é pesquisador numa empresa de ração em Portugal. Ele traz a expertise de trabalhar com as larvas de peixe marinho, então pretendemos sim formular uma ração especifica para essa fase inicial, mas trabalhamos também com o manejo alimentar. Precisamos encontrar o melhor momento para oferecer a ração”, contou a pesquisadora.


*** Si usted está a favor de una prensa totalmente libre e imparcial, colaborar disfrutando de nuestra página en Facebook y visitar a menudo el AM Mensaje.


Facebook

economía

contacto Condiciones de uso