Justicia niega la apelación del estado en contra de la promoción de la 2.284 policía militar

A decisão favorável à Associação dos Praças do Estado do Amazonas (APEAM) para a promoção especial e por antiguidade foi mantida pelo TJAM.
20/06/2017 16H59 - Actualizado 21/06/2017 12h10
foto: Raphael Alves / TJAM

El Tribunal Amazon (TJAM) rejeitou os embargos de declaração nº 0000279-08.2017.8.04.0000, em que o Estado do Amazonas recorria de decisão favorável à Associação dos Praças do Estado do Amazonas (APEAM) para a promoção especial e por antiguidade de 2.284 policía militar.

En una decisión unánime, en la sesión del martes (20), os membros do Pleno seguiram o voto do relator, desembargador Lafayette Carneiro Vieira Júnior, mantendo inalterado o acórdão do mandado de segurança nº 4001983-56.2015.8.04.0000.

"Con efecto, analisando detidamente o constante do hostilizado decisório, vislumbro que todos os temas debatidos foram efetivamente abordados, de maneira clara, concisa e com suficiência de raciocínios lógicos que conduziram a decisão, enquanto a Embargante encampa, pela via do presente recurso, pedido de novo julgamento sobre a matéria já decidida”, afirma o relator em seu voto no recurso.

No processo originário, a Associação pediu o cumprimento da Lei Estadual nº 4044/2014, que dispõe sobre a reestruturação da Carreira de Praças Militares do Estado do Amazonas, afirmando que os policiais cumpriram os requisitos necessários à ascensão funcional. Também segundo os autos, a ata de promoção chegou a ser publicada pelo comandante em boletim da PM, reconhecendo o direito dos militares à promoção, mas o ato administrativo não foi implementado.

O desembargador avaliou que os critérios estabelecidos pela lei são objetivos e, se cumpridos, o militar entra para o quadro de acesso e passa a ter expectativa de direito à ascensão de posto; por esto, afirmou que não se trata de ato discricionário, mas de ato vinculado da Administração.

“Entender como discricionário a efetivação das promoções por antiguidade e especial equivale a tornar letra morta a Lei 4044/2014 – que dispõe sobre reestruturação da Carreira de Praças Militares do Estado do Amazonas –, constituindo ato arbitrário e ilegal, passível de correção pelo Poder Judiciário, a quem cabe, em última ratio, dar interpretação única e igualitária às normas jurídicas”, afirmou o relator no voto do mandado de segurança.

Concurso do Corpo de Bombeiros
O desembargador Lafayette Vieira também é relator de mandados de segurança impetrados contra o comandante-geral do Corpo de Bombeiros Militar do Amazonas, por candidatos aprovados no concurso de 2009, para que sejam admitidos no Curso de Formação do órgão.

Devido à presença de concursados na sessão, o relator explicou-lhes que os processos foram retirados de pauta na sessão da semana passada, porque não podem ser levados a julgamento pelo fato de o assunto estar pendente de julgamento no Supremo Tribunal Federal, em sede de repercussão geral.

Nos casos de repercussão geral, o Supremo decide uma única vez sobre um tema e esta decisão é multiplicada para todas as causas iguais.


*** Si usted está a favor de una prensa totalmente libre e imparcial, colaborar disfrutando de nuestra página en Facebook y visitar a menudo el AM Mensaje.


contacto Condiciones de uso wp: (92) 99344-0505