será compensado ex empleado de Caloi que sufrió la pérdida de audición

La empresa debe pagar $ 5 mil ao ex-funcionário.
03/07/2017 10h10 - Actualizado 3/07/2017 18h33
foto: reproducción

Por entender que a exposição a ruído durante 21 anos de serviço contribuiu para a perda auditiva unilateral de um ex-funcionário da Caloi Norte S/A, a Primeira Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região – AM / RR (TRT11) reformou sentença improcedente e condenou a empresa ao pagamento de R$ 5 mil de indenização por danos morais.

A decisão colegiada acompanhou, por unanimidad, o voto do desembargador relator David Alves de Mello Junior e deu provimento parcial ao recurso ordinário do reclamante, o qual insistiu no pedido indenizatório alegando contradição no laudo pericial que constatou a redução da capacidade auditiva sem concluir que a enfermidade tenha decorrido do trabalho realizado durante o vínculo empregatício.

en junio 2015, o autor ajuizou ação trabalhista narrando que foi admitido na empresa em julho de 1993, a 22 anos de idade para exercer a função de operador I, e dispensado sem justa causa em outubro de 2014, quando atuava como coordenador de produção, mediante último salário de R$ 2.189,44. Ele afirmou que devido ter desempenhado suas atividades em ambiente com ruído acima dos limites de tolerância estabelecidos pela legislação em vigor, sofreu perda auditiva irreversível. En resultado, o autor pediu o pagamento de R$ 451.032,00 a título de indenização por danos morais, materiales (na modalidade lucros cessantes) e estabilidade acidentária por 12 meses.

Devido à natureza da matéria em discussão, o juízo da 16ª Vara do Trabalho de Manaus determinou a realização de perícia médica, que concluiu pela inexistência de nexo causal ou concausal entre a perda auditiva e o trabalho desenvolvido, o sea, que o serviço executado não teria causado a enfermidade nem contribuído para seu surgimento.

De acordo com o perito, os conceitos técnico-científicos e normativos apontam que as perdas auditivas pordesconforto sonoro ocupacionalsão neurossensoriaisocorrem devido a problemas no ouvido interno (cóclea) ou nas as vias nervosas que vão do ouvido interno ao cérebroe quase sempre bilaterais, enquanto no reclamante a perda auditiva constatada foi apenas no ouvido direito. Com base no laudo pericial, o juízo de primeiro grau julgou improcedentes todos os pedidos do reclamante.

Durante o julgamento do recurso, o desembargador relator David Alves de Mello Junior expôs os motivos que alicerçam seu posicionamento favorável à reforma parcial da sentença de origem. Ele explicou que, ao julgar matérias que versam sobre doença ocupacional, em regra o julgador decide com apoio na perícia técnica. sin embargo, a rejeição motivada do laudo pericial é possível quando existem outros elementos probatórios contrários e mais convincentes.

O relator fez minuciosa análise de todas as provas dos autos, observando as audiometrias realizadas em setembro de 1999, febrero 2001 e novembro de 2014, que constataram perda neurossensorial variando de leve a severa no ouvido direito e dentro dos parâmetros de normalidade no esquerdo, bem como destacou algumas contradições no laudo pericial.

Com base em todo o conjunto probatório, o relator manifestou-se pelo reconhecimento da concausa, por entender que o serviço em ambiente ruidoso contribuiu para o resultado, embora não seja a causa principal da doença.

É certo que a perda auditiva somente assume a característica de doença profissional e com causalidade quando é bilateral. pero, considerando o tempo de contrato, a função desempenhada e a inexistência de qualquer outra doença identificada que possa ter deflagrado, ou agravado a moléstiaderivada do ruído -, entendemos que pode ser caracterizada a concausalidade’, manifestou-se o relator em seu voto, entendendo cabível o pagamento de indenização por danos morais ao trabalhador.

Ao fixar o valor da condenação em R$ 5 mil, ele observou os princípios da razoabilidade e proporcionalidade, além de considerar o tempo de serviço do empregado, a ausência de incapacidade para o trabalho ou de necessidade de tratamento, além de outras circunstâncias do caso.

Quanto aos demais pedidos indenizatórios, o relator entendeu que não há elementos nos autos que permitam deferi-los porque não ficou caracterizada nenhuma incapacidade total e alienante para justificar a condenação da empresa ao pagamento de indenização por danos materiais na modalidade de lucros cessantes, além de o caso em análise não se enquadrar na Súmula 378 del Tribunal Superior del Trabajo (TST), que estabelece os pressupostos para concessão da estabilidade acidentária.

Ainda cabe recurso contra a decisão da Primeira Turma.

fuente: portal.trt11.jus.br


*** Si usted está a favor de una prensa totalmente libre e imparcial, colaborar disfrutando de nuestra página en Facebook y visitar a menudo el AM Mensaje.


contacto Condiciones de uso wp: (92) 99344-0505