• Rodrigo Maia adia processo de substituição de Sabino na Câmara dos deputados para fevereiro

    Com o adiamento da pauta da reforma da Previdência o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), preferiu também procrastinar a substituição de Sabino.
    16/12/2017 15h04 - Actualizado 18/12/2017 16h29

    Foto: reproducción


    Escribiendo POST AM

    O vereador Gedeão Amorim (PMDB) não substituirá, mais este ano, o lugar do deputado federal, Sabino Castelo Branco (PTB) na Câmara dos Deputados. Com o adiamento da pauta da reforma da Previdência o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), preferiu também procrastinar o processo de substituição do parlamentar que sofreu um AVC (Acidente Vascular Cerebral) em agosto deste ano.

    De acordo com Gedeão a pressa por sua ida para a Câmara só seria viável se pauta da reforma da Previdência fosse ser votada na próxima semana, para garantir mais um voto favorável ao governo. Como não houve, o parlamentar afirmou que Rodrigo Maia tomou a decisão de tratar do assunto somente em fevereiro também como forma de demonstrar respeito à família de Sabino, que passa por um momento difícil nesta época de festas de fim de ano.

    Pelo regimento da Câmara, nos casos de doença, um parlamentar só pode ficar afastado do cargo por três meses. Vencido este prazo, o político deve ser substituído. A licença de Sabino expirou ontem (15). As despesas médicas e hospitalares do deputado federal Sabino Castelo Branco (PTB-AM) en 2017 já somam R$1.496.733,23 pagos pela Câmara dos Deputados.

    Recuperação de Sabino
    Segundo informações do vereador, Reizo Castelo Branco, o estado de saúde de seu pai é bom pois ele já consegue reconhecer pessoas e se comunicar.

    “O pior já passou. A fase de recuperação é muito boa. É aguardar o tempo certo para que ele possa retornar às suas responsabilidades. Ele já reconhece e se comunica com a gente. Pode ser liberado (do hospital) a qualquer momento”, informado.

    Reizo também afirmou que a família não se preocupa com o corte do pagamento de despesas hospitalares dado pela Câmara uma vez que a família tem condições de bancar Sabino no Hospital Sírio-Libanês.

    “Se amanhã houver essa interrupção, isso não nos preocupa. O meu pai tem 10 irmãos, tem filhos, amigos, família, isso (assumir os custos do tratamento) é a última coisa que passou pela minha cabeça”, disse Reizo, que confirmou que a família não entrará com recurso para prorrogar a licença médica do pai.


    *** Si estás a favor de una prensa totalmente libre e imparcial, colaborar disfrutando de nuestra página en Facebook y visitando frecuentemente el AM POST.


    Facebook

    economía

    Contacto Terminos de uso