Chapa alternativa do impeachment já tem 35 indicados

Eleição da comissão especial foi adiada para as 14h desta terça, 8.

Líderes de partidos de oposição já contabilizam 35 nomes na chapa alternativa a ser apresentada na comissão especial que analisará o pedido de impeachment contra a presidente da República, Dilma Rousseff. Depois de uma manobra dos oposicionistas, que se rebelaram contra a possibilidade de serem escolhidos, dentro do PMDB, apenas integrantes alinhados ao Palácio do Planalto, a indicação e escolha da chapa com os 65 deputados que vão integrar a comissão especial foram adiadas da noite desta segunda-feira para as 14 horas de hoje. O adiamento ocorreu no mesmo dia em que a presidente Dilma anunciou querer que o Congresso vote o impeachment “o mais rápido possível”.

O primeiro racha na composição da comissão especial que analisará o impeachment foi na bancada do PMDB. O líder Leonardo Picciani (RJ), defensor declarado de Dilma, sinalizou que não reservaria vagas para deputados pró-impeachment, deixando de lado peemedebistas que defendem a deposição da petista. Irritados, eles articularam agora a derrubada de Picciani da liderança do partido.

“Essa chapa surgiu pela falta de debate, pela maneira com que os líderes conduziram, querendo impor nomes cujo critério não era competência, e sim ser alinhado com o Planalto. O parlamento não podia permitir isso”, disse o deputado Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA). “Você está fazendo uma comissão para apuração e avaliação se a presidente cometeu crime de responsabilidade ou não e ela é quem vai indicar os membros?”, questionou.

A indicação dos nomes e a escolha dos integrantes da comissão deverão ocorrer às 14 horas desta terça-feira, o que pode esvaziar também a sessão do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar programada para o mesmo horário para votar o relatório preliminar do processo contra Eduardo Cunha no mesmo horário. Uma outra reunião do Conselho de Ética para analisar o caso Cunha deve ser agendada para a manhã desta quarta-feira.

Fonte: Veja.com