Em crítica ao PT, Temer diz que pobres sofreram com ‘feitiçaria’ na economia

O peemedebista pregou a necessidade de fazer reformas estruturais.
16/12/2016 17h14 - Atualizado em 16/12/2016 17h14

Foto: Reprodução


Em críticas indiretas ao governo de Dilma Rousseff, o presidente Michel Temer defendeu nesta sexta-feira (16) não haver mais “espaço para feitiçaria” na área econômica e disse que a população mais pobre foi a que mais sofreu com “arremedos de soluções” adotados no passado.

Em discurso durante almoço de final de ano das Forças Armadas, o peemedebista pregou a necessidade de fazer reformas estruturais e disse que, se elas não forem realizadas, o país estará preso em um “atoleiro da irresponsabilidade fiscal”.

“Não há mais espaço para feitiçarias: imprimir dinheiro, maquiar contas e controlar preços. Se não o fizermos agora, a máquina pública quebra. Se não fizermos as reformas inadiáveis, estaremos presos no atoleiro da irresponsabilidade fiscal”, disse.

Segundo o peemedebista, a realidade atual exige coragem para não “ceder a soluções fáceis e ilusórias”, e é necessário repaginar o país.

“O caminho certo nem sempre é o mais popular em determinado momento. Nossa responsabilidade não é a de buscar aplausos imediatos ou aprovação a qualquer preço, mas desatar os nós que têm comprometido o crescimento econômico”, disse.

O discurso do presidente é o oposto do feito por assessores e auxiliares nos bastidores. A queda na popularidade do mandatário, apontada nesta sexta-feira (16) pelo Ibope, causou preocupação.

A avaliação é que a citação do nome de Temer por 43 vezes na delação premiada de um ex-executivo da Odebrecht teve impactos em sua imagem pública e pode atrapalhar votações de pautas governistas no Congresso Nacional.

No discurso, o presidente voltou a pregar a pacificação do país e disse que chegou a hora de “acabar com essa história de dividir brasileiros”.

“Nós temos de ter coragem de dizer que o país não pode ficar divido. Ela [divisão] pode ocorrer durante o período das eleições, mas não depois dele”, disse.


*** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.


Contato Termos de uso