Romário fecha acordo e vai pagar R$ 50 mil para vítima de acidente com Porsche

Pela proposta da promotoria, o ex-jogador terá que participar de aulas sobre o trânsito para alunos de escolas públicas durante 6 meses.
21/09/2018 10h23 - Atualizado em 21/09/2018 16h54

Foto: Reprodução


A defesa do senador Romário, candidato ao governo do Rio pelo Podemos, fechou um acordo para que o ex-jogador pague R$ 50 mil a vítima do acidente com um Porsche que ocorreu em dezembro do ano passado, na Barra da Tijuca. O acordo foi fechado nesta quinta-feira, durante audiência no 9º Juizado Especial Criminal da Barra. Para o Ministério Público do Rio (MPRJ), Romário é que estava dirigindo o Porsche, apesar de um amigo dele, Marcelo Antônio Soares Wagner, ter tentado assumir a responsabilidade pelo acidente afirmando que estava na direção do carro. O ex-jogador não compareceu à audiência.

O acordo foi proposto pelo advogado de Romário, Rafael Faria, e aceito pela vítima do acidente, Ernesto Cavalcanti, que também estava presente na sessão. Com a estipulação do pagamento do valor, Romário não responderá mais por lesão corporal culposa na direção de veículo automotor, já que o início da ação penal pelo crime depende da vontade da vítima e, com o acordo, Ernesto desistiu da ação. Ainda segundo o acordo, Romário se comprometeu a pagar em cinco parcelas de R$10 mil.

Já relação à fraude processual e violação de proibição para dirigir, Romário ainda continua sendo apontado como autor dos delitos pelo MPRJ, uma vez que se tratam de crimes que não dependem da autorização da vítima para que a ação seja proposta. Como não estava presente na audiência, o ex-jogador não pôde aceitar ou recusar a proposta de transação penal, um acordo de pena alternativa feito pelo órgão.

Alem disso, terá que pagar dez salarios-minimos para o Corpo de Bombeiros. O senador terá até segunda-feira para informar que deseja aceitar a transação. Caso contrário, será denunciado pelos crimes e passará a ser réu.

O amigo de Romário, Marcelo Wagner, que afirmou que dirigia o Porshe Macan Turbo, que está registrado em nome da irmã do ex-jogador, também esteve presente na audiência e aceitou a proposta de transação penal feita pelo MPRJ para que não responda pelo crime de fraude processual. Ele pagará R$ 30 mil à vítima do acidente e, durante seis meses, também participará de aulas sobre o trânsito oferecidas pelo Detran-RJ para alunos de escolas pública.

O ex-jogador passou de testemunha do acidente, que ocorreu em dezembro do ano passado e no qual um motociclista foi atingido, para autor do crime. Após a colisão, na 16ª DP (Barra da Tijuca), Marcelo Antônio Soares Wagner é que havia afirmado que estava dirigindo o Porsche Macan Turbo. Na ocasião, Wagner foi autuado pelo crime de lesão corporal culposa na direção de veículo automotor. No entanto, uma testemunha esteve na delegacia e afirmou que o senador é que estava na direção do veículo no momento do acidente. A mulher, que presenciou a colisão, relatou ainda que o ex-jogador estava sozinho no carro.

Questionado sobre o atropelamento do motociclista na última sexta-feira, no RJTV primeira edição, na TV Globo, Romário respondeu:

— Desculpa, mas isso aí é mais uma fofoca em relação ao meu nome, eu não apareço nem no inquérito desse acidente.

Nesta semana, a defesa do senador entrou com pedido na Justiça para que o processo sobre fosse remetido ao Supremo Tribunal Federal (STF). Na petição, protocolada na terça-feira, os advogados alegaram que Romário tem foro por prerrogativa de função. A juíza Simone Cavalieri Frota, do 9º Juizado Especial Criminal da Barra da Tijuca, no entanto, negou o pedido da defesa e determinou que o processo continue na vara. Recentemente, o STF decidiu que o foro restringe-se aos crimes cometidos no exercício do cargo e em razão dele.

Fonte: Extra

*** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.


Facebook

Economia

Contato Termos de uso