• TCE volta atrás e revoga suspensão da licitação para contratar serviços de reforma e manutenção dos prédios da Seduc

    A revogação atendeu a um pedido ingressado pela presidência da Comissão Geral de Licitação do Estado do Amazonas.
    03/09/2018 17h45 - Atualizado em 4/09/2018 10h01

    Foto: Reprodução


    Pregão Presencial (PP) nº 02/2018 foi concluído com sucesso pela CGL/AM, que já devolveu o processo licitatório para a CCGov

    O conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE), Josué Filho, voltou atrás e revogou, na última sexta-feira (31/08), a medida cautelar que ele próprio concedeu de forma monocrática dois dias antes, ou seja, em 29 de agosto, para suspender o Pregão Presencial (PP) nº 02/2018, que foi solicitado pela Secretaria de Estado da Educação (Seduc) para contratar serviços de reforma e manutenção de prédios da rede de ensino estadual da capital e do interior.
    A revogação atendeu a um pedido ingressado pela presidência da Comissão Geral de Licitação do Estado do Amazonas (CGL/AM), que alegou haver graves danos ao interesse público caso o sobrestamento do PP nº 02/2018 fosse mantido. “O próprio TCE reconheceu a importância da licitação em curso e, ainda que não expressamente, o Tribunal de Contas reconheceu a correção dos trâmites licitatórios realizados pela CGL/AM”, afirmou o presidente da CGL/AM, Victor Fabian Soares Cipriano.
    Com o novo aval do TCE, a CGL/AM concluiu com êxito o PP nº 02/2018 e já encaminhou, ainda nesta segunda-feira (03/09), o processo licitatório para a Coordenadoria de Compras e Contratos Governamentais (CCGov), por se tratar de tomada de preços.

    Decisão
    De acordo com a decisão, o conselheiro Josué Filho, após “detida análise” dos documentos apresentados pela CGL/AM, decidiu revogar a medida cautelar que suspendia o PP nº 02/2018 por entender que ficou comprovada a urgência, “periculum in mora reverso”, quanto à necessidade de realização de manutenções prediais das escolas e dos demais estabelecimentos de educação administrados pela Seduc.
    “Ademais, pondera o Relator, que a manutenção da medida cautelar poderá ensejar na interrupção de prestação pública essencial à população, qual seja, o direito à educação, ocasionado a suspensão das atividades educacionais e laborais geridas pela Seduc”, afirma decisão de Josué Filho

    Com informações da assessoria de imprensa


    *** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.


    Facebook

    Economia

    Contato Termos de uso