Homem é preso no DF por manter mulheres em condição análoga a trabalho escravo

Vítimas trabalhavam em chácara sem carteira assinada nem remuneração fixa. ‘Se a gente sentava um minuto para descansar, ele falava que era preguiça’, diz mulher.

Um homem de 53 anos foi preso, na noite desta terça-feira (23), suspeito de manter duas mulheres em uma chácara em condição análoga à de trabalho escravo. O caso ocorreu na Ponte Alta do Gama, no Distrito Federal.

O flagrante foi feito pela Polícia Militar, que foi ao local após receber denúncia de um morador da região. O caso é investigado pela Polícia Federal.

As vítimas eram duas mulheres, de 20 e de 25 anos. Elas informaram que estavam trabalhando na chácara sem carteira assinada nem remuneração fixa, mas que pretendiam voltar ao Maranhão.

De acordo com elas, o suspeito estava cobrando R$ 700 por alimentação e transporte. Elas trabalhavam no local havia duas semanas.

“Lá tem serviço demais, é bom e é ruim. A gente arruma a casa, lava, passa, faz comida, cuida dos cachorros, lava o canil. É trabalho 24 horas. Se a gente sentava um minuto para descansar, ele falava que era preguiça”, relatou uma das vítimas em vídeo gravado pela PM com o depoimento.

Entenda o crime

Se for indiciado, o suspeito responderá ao artigo 149 do Código Penal: “Reduzir alguém a condição análoga à de escravo, quer submetendo-o a trabalhos forçados ou a jornada exaustiva, quer sujeitando-o a condições degradantes de trabalho, quer restringindo, por qualquer meio, sua locomoção em razão de dívida contraída com o empregador ou preposto”.

A pena prevista para esse tipo de crime é de prisão em regime fechado de 2 a 8 anos, além de multa.

Fonte: G1