Pastor é preso suspeito de estuprar a enteada por sete anos e engravidá-la

A adolescente de 15 anos relatou que era constantemente ameaçada pelo homem para não contar sobre os abusos à mãe dela.
05/09/2019 09h39 - Atualizado em 5/09/2019 09h39

Foto: Reprodução


Um pastor de 57 anos foi preso suspeito de estuprar e engravidar a enteada, atualmente com 15 anos, em Goiânia. Segundo a Polícia Civil, o homem praticou os abusos durante os últimos sete anos e ameaçava a adolescente caso contasse algo sobre a situação. Ele nega as acusações.

O homem, que também trabalha como pedreiro, foi detido em cumprimento a um mandado de prisão, na terça-feira (3), na casa de parentes, em Goianira, na Região Metropolitana de Goiânia. Ele já possui advogado, mas a polícia não soube informar o nome do profissional.

De acordo com a delegada Ana Elisa Gomes, titular da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA) de Goiânia, o caso só foi descoberto há alguns dias, depois que a mãe da garota desconfiou da gravidez.

“A mãe percebeu a barriga dela um pouco grande. Ela usava roupas largas, mas, naquele dia, vestiu uma blusinha mais apertada”, disse ao G1.

Em seguida, conforme a delegada, a mãe conversou com a filha. Foi quando a vítima contou sobre os estupros. “A mãe conversou com a filha, que acabou contando sobre os abusos e revelou que a menstruação estava atrasada. Posteriormente, a gravidez foi confirmada”, completou.

A mãe denunciou o caso à polícia. Em depoimento, a menor afirmou que era abusada desde quando tinha 8 anos e que se sentia ameaçada caso contasse sobre o crime.

Investigação
Atualmente, ela está com 23 semanas de gestação e faz o acompanhamento do pré-natal. O DNA que confirmará quem é o pai só será realizado após a parto, mas a menina já informou que nunca teve relação sexual com outra pessoa.

Após a denúncia, a garota passou a morar com uma tia. A delegada afirma que há indícios de que a mãe dela sabia e era conivente com os abusos.

O pastor deve responder pelos crimes de estupro e estupro de vulnerável, porque começaram quando a vítima era criança. Se condenado, pode pegar uma pena superior a 30 anos.

Fonte: G1


*** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.


Facebook

Economia

Contato Termos de uso