Bolsonaro reafirma que Brasil repudia o terrorismo e critica relação de Lula com Irã

Pronunciamento de presidente foi feito após pronunciamento de Trump.

Agência Brasil

Após assistir ao pronunciamento do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump , sobre o conflito com o Irã, o presidente Jair Bolsonaro reafirmou nesta quarta-feira (8) que o Brasil defende a paz no mundo e repudia o terrorismo. “A nossa Constituição aqui diz no Artigo 4, a República Federativa do Brasil rege-se nas suas relações internacionais pelos seguintes princípios: a defesa da paz e no repúdio ao terrorismo”, disse, com a Constituição Federal nas mãos.

Bolsonaro fez uma transmissão ao vivo, por uma rede social, de seu gabinete no Palácio do Planalto, enquanto assistia ao pronunciamento de Trump pela televisão. “Muitos acham que o Brasil deve se omitir no tocante aos acontecimentos. Complementaria apenas uma questão, nós temos que seguir as nossas leis, nós não podemos extrapolar, mas acredito que a verdade tem que fazer parte do nosso dia a dia, que nós queremos paz no mundo”, disse.

Em vídeo, o presidente ironizou a crítica feita a ele de que o Brasil não deveria se posicionar sobre a disputa externa e respondeu a uma declaração feita mais cedo pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

“Muitos acham que o Brasil deve se omitir no tocante aos acontecimentos. Eu queria dizer apenas uma coisa: o senhor Luiz Inácio Lula da Silva, enquanto presidente da República, esteve no Irã e lá defendeu que aquele regime pudesse enriquecer urânio acima de 20%, que seria para fim pacífico”.

Na verdade, o posicionamento do Brasil em 2010 era permitir o enriquecimento em até 20%.

No final da gravação, o presidente mostra trecho da Constituição que diz que as relações internacionais do país devem ser regidas por, entre outros princípios, o repúdio ao terrorismo e finaliza: “Uma boa tarde a todos e que Deus abençoe o nosso Brasil”.

Trump falou nesta quarta-feira, na Casa Branca, em Washington, sobre o ataque iraniano com mísseis balísticos a duas bases aéreas dos Estados Unidos, ontem (7), no Iraque. De acordo com o presidente norte-americano, não há registros de mortes.

A Guarda Revolucionária do Irã assumiu a responsabilidade pelo ataque e informou que foi uma reação ao assassinato do general iraniano Qassem Soleimani. Na semana passada, um ataque com drone feito pelos Estados Unidos no Iraque resultou na morte de Soleimani , uma das principais lideranças militares do Irã.