• Em Maraã, polícia apreende meia tonelada de drogas avaliada em R$ 2,1 milhões

    A interceptação da carga ilícita ocorreu em uma rota utilizada para evitar a descida pelo Solimões e fugir da ação de piratas do eixo Coari-Tefé-Codajás.
    06/04/2020 18h53 - Atualizado em 7/04/2020 12h56

    Foto: Divulgação/PC


    Redação AM POST*

    Em uma ação coordenada pela Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM), as forças policiais do Estado apreenderam 540 quilos de maconha do tipo skunk e prenderam dois homens em Maraã (a 633 quilômetros de Manaus). O material de origem colombiana foi trazido para Manaus de avião, nesta segunda-feira (06/04), uma semana após a apreensão de outros 800 kg de drogas na mesma operação.

    A ação contou com apoio logístico do Exército Brasileiro e da Secretaria de Operações Integradas (Seop) do Ministério da Justiça e Segurança Pública, por meio do programa Vigia, e da Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp).

    Participaram ativamente da operação agentes do Departamento de Investigação sobre Narcóticos (Denarc), Grupo Força Especial de Resgate e Assalto (Fera), da Polícia Civil, e Companhia de Operações Especiais (COE), da Polícia Militar do Amazonas.

    A interceptação da carga ilícita ocorreu em uma rota utilizada para evitar a descida pelo Solimões e fugir da ação de piratas do eixo Coari-Tefé-Codajás, na região de Maraã. Segundo as investigações, a droga é de origem colombiana, possivelmente da cidade de La Pedreiro, entrando no Brasil pela Vila Bittencourt com destino às bocas de fumo da capital amazonense.

    Investigações
    As investigações duraram cerca de 30 dias, resultando na apreensão de 1,3 toneladas ao todo. A delegada-geral da Polícia Civil, Emília Ferraz, destacou a atuação dos policiais civis não apenas na investigação, mas in loco. “Nossas equipes estavam na mata avaliando como se desenvolvia o armazenamento das drogas, e, agora, tiramos de circulação mais de uma tonelada de entorpecente, que hoje estaria nas bocas de fumo de Manaus”, disse.

    Para o diretor do Denarc, delegado Paulo Mavignier, a operação demandou uma complexidade logística. “A operação contou com a união das forças estaduais, com o apoio federal do Exército e da Seop. No primeiro momento, os grupos ingressaram na selva, em uma área remota. No segundo momento, em continuidade à ação, a equipe especializada da COE conseguiu apreender mais 540 kg de drogas e três armas de fogo”, disse.

    A ação teve duração de 11 dias em área de mata, com cada equipe percorrendo entre 20 e 30 quilômetros, conforme explicou o coordenador do Grupo Fera, delegado Juan Valério. “Conseguimos as informações da Inteligência e passamos a adentrar a área de mata, quando apreendemos os 800 kg há alguns dias. Com a chegada do reforço dos colegas da COE, foi dada continuidade na operação e eles encontraram o restante da carga, um duro golpe para o crime organizado”, afirmou.

    Rota desbravada
    Além da carga de entorpecentes, foram apreendidas três espingardas e um bote de alumínio. De acordo com o comandante-geral da Polícia Militar, coronel Ayrton Norte, a apreensão é histórica para a polícia em uma rota de difícil acesso. “Conseguimos desbravar essa rota. Quem operou na área teve dificuldades, pois o local é de muito difícil acesso. Nossos policiais caminharam entre três e quatro dias em uma rota que ligava o Rio Solimões ao Rio Negro”, explicou o coronel Norte.

    As investigações prosseguem para identificar as pessoas utilizadas na logística e quem seriam os destinatários em Manaus.

    Os militares da COE foram infiltrados no local com o suporte de um helicóptero Black Hawk do Exército, segundo o capitão Ramos Junior. “No local, após contato com o Fera e Denarc, e iniciamos um deslocamento de selva de aproximadamente 30 quilômetros, seguindo os rastros dos criminosos. No final da trilha, encontramos os pacotes de entorpecentes na selva, o bote de 9 metros e o motor de 60 hp”, afirmou. “Os indivíduos presos estavam em um acampamento no final do percurso”, completou.

    Operação Hórus
    Na última terça-feira (31/03), a SSP-AM apresentou cerca de 800 quilos de maconha skunk apreendidos em Maraã. Três integrantes do grupo de traficantes que fazia o carregamento das drogas foram presos. A operação é coordenada nacionalmente pela Seop.


    *** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.


    Facebook

    Economia

    Contato Termos de uso