Prefeitura de Boca do Acre contrata médico por R$ 1,3 milhão, diz Fausto Jr

O valor é muito maior que o pago a outros médicos que atuam na localidade, cuja média de salários é de R$ 28 mil por mês.

Redação AM POST

A prefeitura de Boca do Acre (distante 1026 km em linha reta de Manaus), no interior do Amazonas, vai pagar R$ 1,3 milhão para o médico Fabrício Brito da Silva cuidar de pacientes no município. O valor é muito maior que o pago a outros médicos que atuam na localidade, cuja média de salários é de R$ 28 mil por mês.

A denúncia do super salário em Boca do Acre foi feita nesta terça-feira (05) pelo deputado estadual Fausto Jr, durante sessão virtual da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam). O deputado mostrou a cópia do Diário Oficial Eletrônico dos Municípios, que trouxe os extratos para contratação de médicos, entre eles Fabrício Brito da Silva.

Os contratos têm validade entre os dias 30 de abril a 31 de dezembro de 2020 e foram assinados pelo prefeito de Boca do Acre, Zeca Cruz. Enquanto outros médicos receberão salário de no máximo R$ 94 mil pelo período de oito meses, o médico Fabrício da Silva vai receber R$ R$ 1,3 milhão.

Fausto Jr. lembra que a prefeitura de Boca do Acre recebeu R$ 1,2 milhão proveniente de emendas parlamentares destinadas pelo senador Eduardo Braga (MDB), com R$ 200 mil, e pelo deputado federal Átila Lins (PP), com R$ 1 milhão.

O município também recebeu R$ 648 mil oriundos do Fundo de Fomento ao Turismo do Amazonas (FTI), mais R$ 4 milhões do repasse aprovado pelo Senado Federal para enfrentamento do coronavíirus, totalizando R$ 5,84 milhões para serem aplicados na saúde pública.

Mesmo assim, segundo o deputado, até agora Boca do Acre não teve uma ação da secretaria municipal de Saúde para combater a Covid-19. “A prefeitura está gastando R$ 1,3 milhão na contratação de apenas um médico”, denunciou o deputado. “São claros indícios de desvio de dinheiro público. Não é possível que todo esse recurso seja destinado a apenas uma pessoa”, acrescentou.

Fausto Jr. comprometeu-se em levar a denúncia ao Tribunal de Conta do Amazonas (TCE-AM) e ao Ministério Público do Amazonas (MP-AM) para averiguar irregulares cometidas pela prefeitura de Boca do Acre. “Nesse momento de pandemia, cada centavo investido na saúde ajuda a salvar vidas. Por isso temos que vigiar e denunciar irregularidades ocorridas em qualquer município do Amazonas”, alertou o deputado.

* Com informações da Assessoria de Imprensa