Funcionários que desviaram R$ 1,1 milhão em medicamentos e materiais hospitalares são presos no Amazonas

Dois servidores da unidade e uma ex-funcionária foram presos temporariamente, suspeitos de participação no esquema criminoso.
04/06/2020 17h21 - Atualizado em 5/06/2020 13h28

Foto: Divulgação


Redação AM POST

A equipe de investigação da Delegacia Especializada em Roubos, Furtos e Defraudações (DERFD), da Polícia Civil do Amazonas, deflagrou nesta quinta-feira (04/06) a primeira fase de operação que investiga desvios de medicamentos e outros materiais hospitalares da Fundação Centro de Controle de Oncologia do Amazonas (FCecon). Dois servidores da unidade e uma ex-funcionária foram presos temporariamente, suspeitos de participação no esquema criminoso.

O resultado da ação foi apresentado durante coletiva de imprensa, realizada às 14h30 desta quinta, no prédio da Delegacia Geral, no bairro Dom Pedro, centro-oeste de Manaus, e contou com a presença da delegada-geral da instituição, Emília Ferraz; do delegado-geral adjunto, Tarson Yuri Soares; do delegado Alessandro Albino, diretor do Departamento de Polícia Metropolitana (DPM); além dos delegados Aldeney Goes e Leonardo Marinho, respectivamente titular e ajunto da DERFD, e do assessor jurídico da FCecon, Ricardo Monteiro.

Na ocasião, a delegada-geral destacou a importância da operação que culminou na prisão do trio e parabenizou as equipes que trabalharam de maneira exitosa. “A equipe da DERFD está parabéns pelo trabalho que desarticulou esse esquema criminoso que desviava medicamentos da fundação. É inaceitável esse tipo de conduta que atinge diretamente pessoas que estão no tratamento de uma doença tão agressiva quanto é o câncer”, salientou Emília.

O titular da DERFD informou que as investigações começaram no mês passado, com o acionamento da direção do hospital, que, por meio da implementação de novos sistemas de controle, detectou baixa inexplicada no estoque de medicamentos. Os desvios estão estimados em R$ 1,1 milhão e englobam itens do almoxarifado e remédios destinados ao tratamento de pessoas com câncer.

“Ao longo das investigações, descobrimos que no dia 13 de maio deste ano, uma ex-funcionária foi vista carregando, em um carro particular, caixas com soro fisiológico. Parada na portaria do hospital, a mulher acionou os dois funcionários do almoxarifado, que disseram aos seguranças que a liberação estava autorizada. Sendo assim, por meio da ajuda da assessoria jurídica do hospital, descobrimos o nome das pessoas envolvidas, verificamos a situação e colhemos provas”, disse Goes.

A autoridade relatou ainda que, para a saída do material, os funcionários emitiram uma documentação fraudulenta, informando, por meio de cautela, o empréstimo dos itens para a Fundação Adriano Jorge. Segundo a DERFD, as investigações vão prosseguir no intuito de identificar outros responsáveis pelo desvio de medicamentos da unidade.

O assessor jurídico da FCecon, Ricardo Monteiro, disse que a ação realizada nesta quinta é muito importante para a sociedade que precisava de atendimento naquela unidade hospitalar. “Estamos trabalhando formas de sanar todos esses problemas, realizando auditorias internas para minimizar os impactos que esses delitos causam aos pacientes”, comentou Monteiro.

Prisões – Após os mandados de prisão temporária em nome deles serem expedidos pela Justiça, foram realizadas diligências nesta quinta-feira, e os dois funcionários foram presos na sede da FCecon, no bairro Dom Pedro, zona centro-oeste. Já a ex-funcionária foi presa na residência dela, no Conjunto Parque das Laranjeiras, bairro Flores, zona centro-sul da cidade.

Procedimentos – Conduzido ao prédio da DERFD, o trio foi indiciado pelos crimes de peculato, falsidade ideológica e associação criminosa. Eles ficarão presos temporariamente por 30 dias, podendo o prazo ser prorrogado. Ao término dos procedimentos cabíveis na especializada, eles serão levados para a Central de Recebimento e Triagem (CRT), onde passarão por audiência de custódia via videoconferência.

NOTA Susam/FCecon

A Secretaria de Estado de Saúde (Susam) ressalta que confia na investigação da Polícia Civil do Amazonas e vai empreender todos os esforços para colaborar com o seu avanço. Para a Susam, atitudes como estas colocam em risco a saúde do povo do Amazonas, o que exigirá que os responsáveis sejam devidamente identificados e punidos dentro do processo legal.

A Fundação Centro de Controle de Oncologia do Estado do Amazonas (FCecon) informa que a investigação policial que resultou na prisão de funcionários se deu a partir de denúncia da direção da unidade. O Boletim de Ocorrência (BO) foi registrado dia 14 de maio pela FCecon na Delegacia Especializada em Roubos, Furtos e Defraudações (DERFD).

A direção esclarece que já vinha aumentando o controle e monitoramento do estoque de medicamentos e Produtos Para a Saúde (PPS), com a implantação do Sistema Ajuri. Além da denúncia, a FCecon entregou à Polícia Civil do Amazonas o resultado de um inventário realizado em dezembro de 2019, que apontou inconsistências no estoque de medicamentos e PPS.

* Com informações da Assessoria de Imprensa


*** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.


Facebook

Economia

Contato Termos de uso