Prorrogação do auxílio emergencial será vetada se Congresso insistir em R$ 600, diz Bolsonaro

Presidente disse que se Brasil pagar mais duas de R$ 600 vai ter uma dívida cada vez mais impagável.

Redação AM POST*

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou que vai vetar a prorrogação do auxílio emergencial por mais dois meses se o Congresso Nacional fixar o valor do benefício em R$ 600. Ele pediu ainda cautela com os gastos para que o Brasil não vire o “paraíso da agiotagem”.

“Na Câmara, por exemplo, vamos supor que chegue uma proposta de duas [parcelas] de R$ 300. Se a Câmara quiser passar para R$ 400, R$ 500, ou voltar para R$ 600, qual vai ser a minha decisão? Para que o Brasil não quebre? Se pagar mais duas de R$ 600, vamos ter uma dívida cada vez mais impagável. É o veto”, afirmou o presidente em live na noite dessa quinta-feira (11/06).

Lançado em abril para assegurar uma renda para trabalhadores informais e famílias de baixa renda em meio à pandemia, o auxílio emergencial do governo federal soma cerca de R$ 123 bilhões em recursos orçamentários. O benefício seria pago, inicialmente, em três parcelas. A ajuda da União em meio à pandemia, no entanto, deve ser estendida por mais dois meses, além dos três iniciais.

Bolsonaro defendeu o corte de salários de senadores e deputados federais para a continuidade do auxílio à população de baixa renda. “Se tirar dos salários dos parlamentares, tudo bem, por mim eu pago até R$ 1 mil”, declarou Bolsonaro.

*Com informações do UOL