Alessandra Campêlo descarta anulação da composição da Comissão de Impeachment; deputados se pronunciam

O pedido protocolado pelo Simeam pede a exclusão de seis deputados supostamente envolvidos em esquema de propina.

Lucas Vasconcelos – Redação AM POST

Na manhã desta quarta-feira (29), a deputada Alessandra Campelo (MDB) descartou o pedido de anulação da Comissão Especial de Impeachment do governador Wilson Lima (PSC) e o vice-governador Carlos Almeida Filho (PTB) no início da sessão ordinária híbrida da Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam). O pedido de questão de ordem foi protocolado na terça-feira (28) pelo Sindicato dos Médicos do Amazonas (Simeam) após a homologação dos membros que compões a comissão.

O deputado Carlinhos Bessa (PV) repudiou o pedido de questão de ordem do Simeam durante pequeno expediente.

“Ontem fui surpreendido por uma questão de ordem descabível tendo em vista quero falar para o nobre colega advogado que assinou a peça representado pelo senhor presidente do Sindicato dos Médicos. Quero dizer que não cheguei em base de asa de governador. Toda vez que entrei em porta de delegacia, foi pra defender meus clientes. Tenho honra no compromisso com meu trabalho. Tenho história de vida para um covarde vir me sacanear. Quero dizer que meu canhão está armado. Acabou a brincadeira, falta de respeito. Com meu nome não”, repudiou Carlinhos Bessa.

A deputada Joana Darc (PL), líder do governo na Aleam, também se pronunciou a respeito do pedido de anulação e também ressaltou sua posição na comissão.

“Enquanto atacarem meu nome, a minha família, eu vou atacar em dobro. Estou tranquila. Quero dizer que apesar de todas as fakes neews. Sou uma pessoa que conseguiu tudo devido o fruto do meu esforço. Não existe notícia que diga o contrário. Eu gasto muito mais para fazer minhas ações sociais. Essas são notícias financiadas para que possam pressionar cada deputado para votar contra a democracia. Quero reforçar minha posição aqui, que o meu voto será em favor da democracia. Quem quiser ser governador que entre como candidato e vença a eleição”, declarou Joana Darc.

blank

Sindicato dos Médicos

Conforme documento do Simeam, os deputados Saullo Vianna (PTB), Joana Darc (PL), Mayara Pinheiro (Progressistas), Therezinha Ruiz (PSDB), Belarmino Lins (Progressistas), Carlinhos Bessa (PV), Roberto Cidade (PV) e Abdala Fraxe (Podemos) estão implicados em suposto esquema de recebimento de propina investigado pela “Operação Sangria” da Polícia Federal, que apura superfaturamento na compra de respiradores pelo governo.

Dos nomes citados, seis compõem a comissão de impeachment e o Sindicato alega que isso afronta o princípio do processo legal. “A participação de investigados permite que possíveis comparsas se protejam no processo”.

“Além de violar o artigo 36 da Lei 1.079/50, entendemos que afronta o princípio do devido processo legal (artigo 5º, LIV, CF) permitir que possíveis investigados se protejam no processo de impeachment. Trata-se de um conjunto de pessoas que, segundo a Polícia Federal, vinham realizando reiteradas práticas criminosas”, disse a entidade.