Árbitro recebe críticas após não intervir em luta onde José Aldo leva 62 golpes em três minutos

Presidente do UFC, Dana White fez críticas ao juiz, ressaltando que a interrupção deveria ter acontecido “muito antes”.

Muito aguardada pelos fãs de MMA, a disputa de cinturão peso-galo entre Petr Yan e José Aldo, realizada no último sábado (11), no card principal do UFC 251, em Abu Dhabi, rendeu o que dela se esperava, com muitos momentos de trocação. O brasileiro começou bem na luta, aplicou diversos chutes e conectou golpes importantes na linha de cintura do adversário. No entanto, a partir da reta final do terceiro round, Aldo passou a ficar mais desgastado e, em contrapartida, viu o russo crescer de produção no confronto. Yan passou a dominar mais as ações e sacramentou seu triunfo no quinto assalto da luta, derrotando o lutador da Nova União por nocaute técnico, após uma sequência brutal de golpes no ground and pound.

O quinto e último round do duelo, inclusive, foi o que gerou polêmica e diversos comentários. Aldo foi a knockdown durante o assalto, acabou indo ao chão e, a partir disso, passou a ser castigado no ground and pound, recebendo, de acordo com números oficiais do Ultimate, um total de 113 golpes em pouco mais de três minutos, sendo 62 deles significativos, até o árbitro intervir e decretar o fim do combate. Em breve comparação, durante todo o embate, o brasileiro aplicou 157 golpes, sendo 83 deles com mais precisão. Presidente do UFC, Dana White fez críticas ao juiz, ressaltando que a interrupção deveria ter acontecido “muito antes”.

– Horrível, horrível a decisão do juiz. Deveria ter parado a luta muito antes. Parece que precisamos melhorar nossos julgamentos aqui na Ilha da Luta – disse o mandatário, que ainda elogiou o desempenho de José Aldo: – Aldo foi bem. Calou os críticos que diziam que ele não merecia outra chance pelo título. Aldo lutou contra o melhor da categoria e foi muito bem nisso. Ele pode fazer o que quiser (sobre seu futuro) – afirmou Dana, em entrevista coletiva após o evento.

Outros lutadores foram às redes sociais e também dispararam críticas à demora do árbitro Leon Roberts para interromper o duelo, a começar por Gilbert Durinho, que comentou: – Que m***, juiz. Você está aí para proteger o lutador, seu estúpido. Se eu estivesse no corner, teria jogado a toalha – escreveu o brasileiro, em sua conta oficial no Twitter.

Quem também se posicionou a respeito da demora de Roberts para intervir na luta foi Vitor Belfort, que escreveu, também no Twitter: – Essa luta deveria ter terminado muito antes. Isso foi desnecessário -.

No entanto, houve um para elogiar e defender a postura do árbitro em deixar a luta se desenvolver. Ex-campeão peso-pesado do UFC, Junior Cigano disse que Leon Roberts “teve ótima performance” no controle do combate: – Agora, temos que reconhecer a ótima performance do árbitro, não se deixou impressionar e só parou a luta quando Aldo já estava sem chances de defesa. Parabéns a ele. Difícil de ver isso hoje em dia -.

A afirmação do peso-pesado brasileiro fez Gilbert Durinho novamente opinar sobre o assunto. De maneira respeitosa, o faixa-preta de Jiu-Jitsu discordou da declaração de Cigano: – Gosto muito de você, irmão, e te respeito muito! Mas discordo completamente. O árbitro errou e errou feio! Se eu estivesse no córner,jogaria a toalha.

Fonte: Istoé