Cúpula evangélica se reúne com Bolsonaro para buscar solução em conflito na Angola que ameaça pastores da Igreja Universal

Religiosos angolanos declararam ruptura com a gestão brasileira sob acusações de evasão de divisas, expatriação ilícita de capital, racismo, discriminação e outros crimes.

Redação AM POST

O deputado federal, Silas Câmara (Republicanos), junto com a cúpula da sigla e bancada evangélica, se reuniram nessa terça-feira (7) com o presidente Jair Bolsonaro em Brasília para resolver o conflito que ameaça pastores brasileiros da Igreja Universal na Angola.

O caso está ocorrendo desde que os religiosos angolanos declararam ruptura com a gestão brasileira sob acusações de evasão de divisas, expatriação ilícita de capital, racismo, discriminação, abuso de autoridade, imposição da prática de vasectomia aos pastores e intromissão na vida conjugal dos religiosos.

A Universal em Angola agora é assumida pelo bispo Valente Bezerra Luiz, então vice-presidente da igreja.

Pastores brasileiros na região são ameaçados com armas, agressões físicas, expulsos de seus templos e residências além de ameaças de morte.

Silas afirmou que os angolanos estão colocando a integridade dos membros em risco.

“Sabedores que a Igreja Universal do Reino de Deus, em Angola, é uma entidade religiosa com sua diretoria composta por cidadãos angolanos, vale salientar que este grupo de ex-pastores está colocando a integridade física tanto de membros, pastores locais, cidadãos angolanos, bem como cidadãos brasileiros em risco”, afirmou o parlamentar.

Ainda há informações que as autoridades angolanas têm se mostrado omissas e, em alguns casos, favoráveis aos agressores.