‘É um médico frustrado’, diz deputada Mayara sobre autor da denúncia da Comissão do Impeachment

A crítica é direcionada ao presidente do Simeam, Mário Viana, após ter pedido a anulação dos membros que compõem a comissão.

Lucas Vasconcellos – Redação AM POST

A deputada estadual Mayara Pinheiro (Progressistas) criticou o presidente do Sindicato dos Médicos do Amazonas (Simeam), Mário Viana, chamando de “médico frustrado”. A declaração foi realizada durante sessão híbrida da Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam) nesta quarta-feira (29). Além de Mayara, outros deputados também se pronunciaram em repúdio a questão de ordem.

“É um médico frustrado que nem dentro da carreira médica conseguiu o destaque na sua carreira”, declarou a deputada como resposta após o Simeam entrar com um pedido de questão de ordem para anular a composição da Comissão de Impeachment que investiga o governador e vice-governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC) e Carlos Almeida Filho (PTB) por crime de responsabilidade.

No documento do Simeam, os advogados Edgar Portela Aguiar e Milton Antonio Rivera acusam deputados que integram a comissão de “comparsas” do governo e afirmam que há “indícios fortíssimos” de que há parlamentares no colegiado que recebem propina do Executivo.

O documento faz menção a uma anotação vazada à CNN Brasil de um suposto relatório da Polícia Federal, referente à Operação Sangria, em que um agente federal descreve o que a polícia teria apreendido no gabinete do governador Wilson Lima.

Conforme documento do Simeam, os deputados Saullo Vianna (PTB), Joana Darc (PL), Mayara Pinheiro (Progressistas), Therezinha Ruiz (PSDB), Belarmino Lins (Progressistas), Carlinhos Bessa (PV), Roberto Cidade (PV) e Abdala Fraxe (Podemos) estão implicados em suposto esquema de recebimento de propina.

Dos nomes citados, seis compõem a comissão de impeachment e o Sindicato alega que isso afronta o princípio do processo legal. “A participação de investigados permite que possíveis comparsas se protejam no processo”.

“Além de violar o artigo 36 da Lei 1.079/50, entendemos que afronta o princípio do devido processo legal (artigo 5º, LIV, CF) permitir que possíveis investigados se protejam no processo de impeachment. Trata-se de um conjunto de pessoas que, segundo a Polícia Federal, vinham realizando reiteradas práticas criminosas”, disse a entidade.

Resposta

Além de Mayara, a líder do governo na Aleam, deputada Joana Darc (PL), também se pronunciou a respeito do pedido de anulação e ressaltou sua posição na comissão.

“Enquanto atacarem meu nome, a minha família, eu vou atacar em dobro. Estou tranquila. Quero dizer que apesar de todas as fakes neews. Sou uma pessoa que conseguiu tudo devido o fruto do meu esforço. Não existe notícia que diga o contrário. Eu gasto muito mais para fazer minhas ações sociais. Essas são notícias financiadas para que possam pressionar cada deputado para votar contra a democracia. Quero reforçar minha posição aqui, que o meu voto será em favor da democracia. Quem quiser ser governador que entre como candidato e vença a eleição”, declarou Joana Darc.