Serafim Corrêa se posiciona contrário ao retorno das aulas presenciais do ensino público: ‘A Covid-19 não está vencida’

Conforme decreto do Governo do Amazonas, as aulas estaduais retornam a partir do dia 10 de agosto para o ensino médio e EJA, e 24 de agosto para o fundamental.

Lucas Vasconcelos – Redação AM POST

O deputado estadual Serafim Corrêa (PSB) se posicionou contrário ao decreto do Governo do Amazonas que anuncia o retorno das aulas presenciais do ensino público no dia 10 de agosto. O posicionamento foi feito na manhã desta quinta-feira (30) durante sessão híbrida da Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam).

Conforme Serafim, a rede pública de ensino ainda não está totalmente preparada para realizar aulas presenciais pois o coronavírus ainda não está vencido no Amazonas.

“Nós tivemos ai 100 mil pessoas infectadas. Tivemos 3 mil só na capital, e 1.245 no interior do Amazonas. A Covid-19 não está vencida. Embora os números do Estado tem diminuído bastante, nós ainda não vencemos essa batalha. Muito me preocupa a volta das aulas no ensino público pois as unidades escolas ainda não tem estruturas que corresponderam para o retorno da maneira correta”, declarou Serafim.

O deputado também comentou que para ser possível o retorno às aulas de forma consciente é necessário que a Secretaria de Estado de Educação do Amazonas (Seduc-AM) tome algumas medidas como testagem de profissionais da educação e mudanças na infraestrutura das escolas.

“Li a manifestação da Asprom [Sindicato dos Professores e Pedagogos das Escolas Públicas do Ensino Básico de Manaus] e acho muito pertinente que as crianças não podem estar em lugar fechados. Concordo também que deve ter uma testagem em massa nos profissionais. Quero dizer aqui da minha preocupação e externar que a Seduc repense esse retorno com mais cautela. Ou que tome medidas necessárias para que não haja uma segunda onda de contágio”, finalizou o deputado.

Conforme decreto do Governo do Amazonas publicado na terça-feira (28), as aulas estaduais retornam a partir do dia 10 de agosto para o ensino médio e modalidade de Educação de Jovens e Adultos (EJA), e 24 de agosto para o ensino fundamental.