Motorista de aplicativo é denunciado acusado de espancar homossexual em Manaus

A vítima afirma que se jogou do carro em alta velocidade para se livrar das agressões. Acusações contra o cliente também surgiram nas redes sociais.

Redação AM POST

Um jovem, identificado como Clayton Oliveira, denunciou um motorista de aplicativo da empresa 99 pelo crime de homofobia ocorrido na noite da última quarta-feira (12), durante uma corrida iniciada no bairro Alvorada, na Zona Centro-Oeste de Manaus. Boletim de Ocorrência foi registrado nesta quinta-feira (13), no 19° Distrito Integrado de Polícia (DIP) e o corpo de delito também já foi realizado no Instituto Médico Legal (IML).

De acordo com o cliente, ele solicitou a corrida e quando o veículo chegou, colocou suas bolsas no banco de trás e sentou ao lado do motorista. Durante a viagem, o condutor perguntou se ele era gay, e ao responder que sim começou a ser espancado.

Ainda segundo Clayton, o motorista afirmou ter ódio de gays e disse que ele só sairia do carro morto. O jovem só conseguiu pegar uma mochila no banco de trás e pulou do carro em alta velocidade, deixando vários pertences no carro entre eles seu celular que após ser rastreado foi encontrado quebrado nas proximidades da avenida Max Teixeira.

O caso foi amplamente divulgado nas redes sociais e ao tomar conhecimento a empresa 99 informou que o motorista foi bloqueado do aplicativo até que a investigação policial seja finalizada.

“Mobilizamos uma equipe que está buscando contato com Clayton para oferecer todo o apoio e acolhimento necessário. A empresa está disponível para colaborar com as apurações das autoridades”, disse a empresa em nota.

O motorista divulgou vídeo gravado na delegacia mostrando que prestou esclarecimentos e afirmou que outra pessoa estava dirigindo seu veículo. O profissional também disse que vai colaborar com as investigações sobre o caso.

Áudios e postagens em acusação contra Cleyton também foram divulgados que mostram supostamente o cliente dando em cima do motorista, na ocasião, o que teria motivado as agressões.

Veja vídeo: