Alessandra Campelo teve reuniões com investigados da Operação Sangria, aponta site

A deputada disse que suas conversas são sempre republicanas.

Redação AM POST

A vice-presidente da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), deputada estadual Alessandra Campelo (MDB/AM), participou de reuniões com autoridades que estão sendo investigadas em desdobramento da Operação Sangria nesta quinta-feira (8). A informação foi divulgada pelo site O Antagonista, um dos mais influentes que aborda bastidores da política brasileira.

De acordo com reportagem sobre decisão do ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Francisco Falcão, que determinou buscas contra o vice-governador do Amazonas, Carlos Almeida, apontado como alguém de grande influência no suposto esquema fraudulento de compra de respiradores para enfrentamento à Covid-19 no Amazonas, Alessandra Campelo e diversos servidores públicos participaram de reuniões com o político em salas de um edifício comercial, que seriam do escritório de advocacia Cruz, Queiroz, Bernardino & Azevedo Advogados, que tem entre seus sócios Julio Cezar Furtado de Queiroz, dono de empresas com contratos com a Secretaria de Saúde.

Continua depois da Publicidade

Também foi citado na decisão um vídeo que circulou na internet com o vice-governador deixando o prédio com uma bolsa térmica, que depois ele disse ser para o transporte de crepioca e whey protein.

A deputada informou ao site que devido seu cargo é normal que ela tenha relação, conversas políticas e institucionais com autoridades e outros agentes políticas do estado mas que todas são sempre republicanas.

“Como deputada estadual e vice-presidente da Assembleia Legislativa do Amazonas, é normal que eu tenha relação e conversas políticas e institucionais com governador e vice-governador, secretários, autoridades e outros agentes políticas do estado. Minhas conversas sempre são republicanas e no sentido de tratar de questões políticas ou de gestão pública. Ressalto ainda que nunca fui relatora de CPI de Respiradores ou de Saúde. Pelo contrário, meu nome foi um dos indicados pelo presidente da comissão para ser suplente e eu declinei. No auge da pandemia e nos últimos meses, além de legislar, passei parte do meu mandato, fazendo visitas e fiscalizações em hospitais, em Manaus e interior do estado, atendendo a população e de alguma forma tentando minimizar os problemas decorrentes da pandemia”, justificou Alessandra.

Continua depois da Publicidade