Amazonas

Amazonenses sorteados comemoram oportunidade de assistir jogo da Seleção Brasileira na Arena da Amazônia

A maioria dos 3 mil vencedores da campanha “Vacina Premiada” define a oportunidade como a realização de um sonho.

Redação AM POST

A realização de um sonho. É assim que a maioria dos 3 mil vencedores da campanha “Vacina Premiada” define a oportunidade de assistir a Seleção Brasileira disputando um clássico sul-americano de futebol, em plena Arena da Amazônia. Para muitos, acompanhar a partida entre Brasil e Uruguai nesta quinta-feira (14/10) só será possível graças ao sorteio de ingressos, disponibilizados como contrapartida pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF) – organizadora do evento – sem custos para o Governo do Amazonas.

Continua depois da Publicidade

Após os 15 sorteios que definiram os contemplados, a retirada dos ingressos está sendo feita no Centro de Convenções do Amazonas Vasco Vasques, zona centro-sul de Manaus, até às 20h desta quinta-feira (13/10). Os sorteados deverão apresentar um documento original com foto e a carteira de vacinação para retirar o bilhete.

Entre os primeiros torcedores a receberem o ticket estava o manutencista Lins Batista, que foi inscrito no “Vacina Premiada” pelo filho. Ele conta que graças à iniciativa do Governo do Amazonas, vai poder conhecer a Arena da Amazônia.

“A maioria não tem condições, a pessoa fica só naquela vontade de ver o jogo ou quem sabe até ouvir pelo rádio. Foi uma boa iniciativa do Governo e é até uma forma de incentivar a vacinar. Eu só tenho a agradecer pela sorte que eu tive de ganhar esse ingresso graças ao meu filho, que me inscreveu, e ao Governo de tomar essa iniciativa bacana aí. E é isso aí… 2 a 0 Brasil”, comemorou, apostando em um placar favorável ao time do Brasil.

Continua depois da Publicidade

O sentimento é compartilhado pelo motoqueiro Luiz Afonso Neto, que nunca viu o Brasil jogar na capital amazonense. “Estou bastante ansioso. Primeira vez que eu vou assistir ao jogo da seleção aqui em Manaus e ainda ter conseguido ingresso através desse sorteio, de graça, muito legal, gostei muito da atitude do Governo do Estado em proporcionar isso para os moradores daqui”, observou Neto.

Vacinação em dia – Para torcer pelo Brasil, além de contar com uma mãozinha da sorte, também é preciso estar com o esquema vacinal completo com as duas doses ou dose única contra a Covid-19.

Continua depois da Publicidade

A exigência – uma forma de incentivar a vacinação – foi aprovada pelos torcedores. “Eu acho que o caminho é a vacina, não tem outra forma da gente evitar essa pandemia. Eu acredito que depois da vacina tudo tem melhorado, o comércio tem aquecido novamente e eu estou muito feliz com tudo isso”, comentou o gestor de restaurante, Janedson Pereira, que também vai à Arena da Amazônia pela primeira vez.

“Para quem ainda não tomou (a vacina), vai lá, toma o reforço que é muito importante devido a essa pandemia. Todos nós temos que estar prevenidos. Quem não foi ainda, corre, toma, tem muita gente que ainda não tomou nem a primeira. Então vai lá e toma”, incentivou a técnica de enfermagem Gilcinete Peres, que também saiu do Vasco Vasques com o ingresso para a partida em mãos.

Continua depois da Publicidade

As pessoas que receberam a segunda dose menos de 15 dias antes da realização do jogo, ou seja, a partir do dia 29 de setembro, estão passando por triagem com teste feito pelas equipes da Fundação de Vigilância em Saúde Dra. Rosemary Costa Pinto (FVS-RCP). A medida é parte dos protocolos sanitários definidos pelo Governo do Amazonas e CBF. Terá acesso ao estádio apenas as pessoas que apresentarem testes com resultado negativo para a doença.

“No momento da retirada do ingresso, é constatado o período vacinal dele, se ele tiver menos de 15 dias da segunda dose ele é encaminhado para a nossa estrutura onde estamos fazendo o teste de antígeno. Essas pessoas tendo o exame negativo estão aptas a participar do evento, caso contrário ele já entra em isolamento domiciliar seguindo todos os protocolos da Organização Mundial de Saúde (OMS), detalhou Alexsandro Melo, epidemiologista da FVS-RCP.