Corrupção no Governo do Amazonas é beneficiada por morosidade no STJ

Deputado pediu que o Supremo dê celeridade às investigações da Operação Sangria no AM.

Redação AM POST

O deputado estadual Wilker Barreto (Podemos) fez um apelo, na última terça-feira (03), na tribuna da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam) para que a morosidade não continue beneficiando a máfia instaurada no governo do Estado.

O pedido é que o Superior Tribunal de Justiça (STJ) avance, de forma célere, nas investigações da Operação Sangria, deflagrada pela Polícia Federal (PF), e que apura as práticas de esquema de corrupção na compra superfaturada de 28 respiradores pulmonares feitas pelo Governo numa loja de vinhos, no valor de R$ 2,9 milhões, durante a pandemia do novo coronavírus (causador da Covid-19), no Estado.

Continua depois da Publicidade

Desde junho, o Ministério Público Federal (MPF) a Polícia Federal e a Controladoria-Geral da União (CGU) investigam a quadrilha que desviou recursos públicos destinados a atender às necessidades de saúde decorrentes da pandemia.

À época, o próprio governador Wilson Lima foi alvo de buscas e apreensões em sua própria casa, na sede do governo do estado e na sede da Secretaria de Saúde do Amazonas, em Manaus. Ele e mais 13 pessoas são suspeitas de superfaturar e desviar dinheiro público na compra de respiradores. Na mesma operação, a PF prendeu a então secretária de saúde, Simone Papaiz.

A PF cumpriu ainda mandados de prisão temporária contra oito pessoas, além de buscas e apreensões em 14 endereços de pessoas ligadas ao governador. As medidas foram determinadas pelo ministro Francisco Falcão, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), e incluem o bloqueio de bens no valor R$ 2,976 milhões, de 13 pessoas físicas e jurídicas, incluindo Wilson Lima.

Continua depois da Publicidade

No dia 8 de outubro foi deflagrada a segunda etapa da Operação Sangria que prendeu mais cinco envolvidos e novas buscas e apreensões foram autorizadas.

Em seu pronunciamento, Wilker afirmou que fará uma carta aberta em nome da sociedade amazonense para que o órgão federal intensifique as investigações contra a atual gestão, apontada pela PF como principal envolvida na aquisição dos respiradores pulmonares e demais escândalos revelados em desdobramentos da Operação Sangria.

“Aqui eu faço um apelo, uma carta aberta em nome do povo do Amazonas, para que os desdobramentos da Operação Sangria sejam apurados de forma célere, porque será um grande crime virarmos o ano com quadrilhas dentro do Governo, como bem disse a PGR (Procuradoria-Geral da República). Ministros do STJ, salvem o povo do Amazonas e olhem com carinho para este longínquo e maior estado da Federação”, frisou o deputado.

Continua depois da Publicidade

Barreto afirmou, ainda, que o Governo não tem mais condições de estar no comando do Estado. “Eu estou severamente preocupado que esta organização criminosa possa virar o ano e administrar R$ 21 bilhões da LOA (estimativa de receita para o exercício financeiro de 2021). Este governo não tem mais credibilidade e moral para mexer com a coisa pública. A cadeira do governador pertence ao povo e não a quadrilhas, por isso, faço este apelo ao STJ”, finalizou o deputado.