Amazonas

Defensor dos direitos humanos no AM, padre Humberto Guidotti morre aos 81 anos na Itália

Nos últimos anos, ele enfrentava um quadro de doenças degenerativas.

Redação AM POST*

O padre Humberto Guidotti, 81 anos, faleceu nesta segunda-feira (11) em Pistóia, na Itália, onde viveu seus últimos anos de vida, depois de trabalhar por cerca de 30 anos no Brasil, entre Amazonas e Maranhão. Nos últimos anos, ele enfrentava um quadro de doenças degenerativas.

Continua depois da Publicidade

Ele será velado nesta terça-feira (12) na Igreja de Santa Clara no Seminário em Pistoia.

Nos anos 1980 e 1990, Guidotti coordenou o Centro de Defesa dos Direitos Humanos da Arquidiocese de Manaus. Na capital também foi pároco na Igreja Menino Jesus de Praga, no bairro da Chapada, na zona centro-sul.

No Amazonas ele liderou lutas pelos direitos humanos, trabalhando inicialmente com a missionária Nadia Vettori, por cerca de oito anos junto aos hansenianos no que era chamado antigo leprosário de Manaus, na Colônia Antônio Aleixo.

Continua depois da Publicidade

Guidotti foi um dos mentores da criação do Grito dos Excluídos e sempre se apresentou como uma voz firme e atuante no combate à corrupção e desmandos governamentais. Foi ameaçado de morte várias vezes por denunciar situações de corrupção política e injustiças sociais.

O líder religioso deixou o Amazonas para ir a Moçambique, na África, onde também trabalhou junto aos injustiçados e depois viveu no Maranhão, onde continuou sua luta junto aos batalhavam pela reforma agrária.

Continua depois da Publicidade