Justiça arquiva ação popular improcedente de Bosco Saraiva contra David Almeida

A ação que pediu, em 2017, para bloquear todas as ações de gastos da gestão de David, com acusação de pagamentos ilegais, não comprovou as supostas irregularidades.

Redação AM POST*

Após julgar improcedente, a segunda Vara da Fazenda Pública do Estado do Amazonas arquivou ação popular com pedido de Tutela de Urgência contra o ex-governador interino do Amazonas, David Almeida (Avante). De autoria do então deputado estadual Bosco Saraiva (SD), a ação que pediu, em 2017, para bloquear todas as ações de gastos da gestão de David, com acusação de pagamentos ilegais, não comprovou as supostas irregularidades.

Continua depois da Publicidade

De acordo com a defesa de David Almeida, por se trata de uma ação popular que foi julgada improcedente, se fez necessário o segundo grau de jurisdição. “O processo subiu para o Tribunal de Justiça do Amazonas (Tjam) e lá na corte foi confirmado que a ação popular é improcedente, que ela não tinha nenhuma justificativa. Agora foi o ato final mandando as partes se manifestarem dizendo que o processo será arquivado”, explicou o advogado Tadeu de Souza.

Na época da abertura da ação, o deputado Bosco Saraiva pediu a suspenção de todas as operações financeiros-orçamentárias, bem como eventuais procedimentos licitatórios, contratações diretas, desapropriações, doações entre outras, que estivessem em desacordo com a Lei de Responsabilidade Fiscal e com as vedações da Lei das Eleições para o período de fim de mandato.

Como forma de engessar o Governo do Amazonas, Bosco pediu ainda que o Estado por meio da sua administração direta e indireta não realizasse novos procedimentos licitatórios e ou firmasse qualquer contrato administrativo, derivado de licitações findas, dispensa ou inexigibilidade cujos objetos impactassem no período que extrapolasse a atuação do então governo interino.

Continua depois da Publicidade

Na primeira decisão contra a ação popular, assinada em 2017 pelo então presidente do Tribunal de Justiça do Amazonas (Tjam), desembargador Flávio Humberto Pascarelli Lopes, ele argumentou derrubou a decisão liminar que suspendia todas as ações do governo. O desembargador argumentou na época que a mesma imporatia graves ricos à ordem pública, uma vez que ela paralisaria todos os serviços públicos.

Na sentença publicada em 2018, o juiz de direito Leoney Figlioulo Harraquina, em harmonia com o parecer do Ministério Público do Estado do Amazonas (MPE-AM) julgou pela extinção da ação popular. De acordo com a decisão, a peça inicial da ação não sustentava os requisitos indispensáveis para fundamentar a ação popular.

Continua depois da Publicidade

No texto da decisão, o juiz descreveu ainda que o autor da ação não demonstrou e as provas dos autos não revelaram possível ilegalidade ou lesividade ao patrimônio público que configurasse os fatos alegados na petição inicial.

*Com informações da Assessoria de Imprensa

Continua depois da Publicidade