Prisão temporária de detidos na Operação Sangria é prorrogada

O grupo é suspeito de desviar milhões dos cofres públicos da área da saúde em uma transação que envolveu a compra de respiradores superfaturados.

Redação AM POST

As cinco pessoas, ligadas ao governo do Amazonas, investigadas na Operação Sangria pela compra de respiradores para o tratamento de Covid-19 durante a pandemia, tiveram prisão temporária prorrogada por mais cinco dias.

Os presos são o ex-secretário de saúde do Amazonas, Rodrigo Tobias de Souza Lima, o empresário Luiz Carlos Avelino Junior, que é marido da ex-secretária de Comunicação do Amazonas Daniela Assayag, a ex-secretária executiva da pasta, Dayana Mejia, Ronald Gonçalo Caldas Santos, e Gutemberg Leão Alencar, apontado como o homem de confiança do governador Wilson Lima.

Continua depois da Publicidade

Eles foram presos e encaminhados para presídio na última quinta-feira (8) quando foi deflagrada a segunda fase da Operação Sangria. Com a prorrogação, as prisões temporárias se estendem até o próximo dia 20 de outubro.

O grupo é suspeito de desviar milhões dos cofres públicos da área da saúde em uma transação que envolveu a compra de respiradores superfaturados.