Wilson Lima rebate declarações de Carlos Almeida: “é estratégia eleitoral para atacar Bolsonaro”

O governador também frisou que Almeida deve está sendo porta-voz de alguém com objetivo eleitoral para 2022.

Redação AM POST

O governador do Wilson Lima (PSC), durante coletiva de imprensa nesta quinta-feira (6), se defendeu dos ataques feitos pelo seu vice, Carlos Almeida, em entrevista ao jornal ‘Folha de São Paulo’, de que ele e o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) teriam trazido ao Amazonas a política de imunidade de rebanho com o objetivo de evitar medidas ruins para Economia e com isso teria transformado Manaus em um laboratório gerador da nova variante do vírus da Covid-19.

Continua depois da Publicidade

“Ali é uma estratégia para atacar o presidente Bolsonaro. Ele (Carlos Almeida) está sendo porta-voz de alguém, ou seja, ele está sendo mandado por alguém. É tanto que é só vocês verificarem a repercussão, quem repercutiu isso daí nacionalmente, com um objetivo eleitoral para 2022. E esse não é o momento para estar discutindo política. Esse o momento de continuar trabalhando para salvar vidas e atender aquelas pessoas que mais precisam. Recuperar empregos”, disse Wilson Lima.

O governador do Estado pontuou, ainda, que as declarações feitas por seu vice são infundadas, e que todas as medidas adotadas pelo Executivo foram baseadas na Ciência, com apoio de instituições “respeitadas”.

“As declarações ali são infundadas. Aliás, todos vocês que estão aqui sabem o quanto o Estado do Amazonas fez para conter a pandemia. Sempre reuni com segmentos, com os Poderes, com a imprensa, para informar todas as atitudes que nós estávamos tomando. Todas as atitudes foram baseadas na ciência, com o apoio da Organização Panamericana de Saúde, do Hospital Sírio-Libanês, de especialistas, da Fiocruz e de outras instituições respeitadas. Todas as medidas de restrição nós tomamos no momento em que elas foram necessárias e estão todas aí nos decretos que foram publicados pelo Governo do Estado do Amazonas”, acrescentou o mandatário.

Continua depois da Publicidade