Após ministro pedir apreensão de celular, Carlos Bolsonaro diz que o de Adélio está protegido há mais de um ano

Parlamentar voltou a questionar as investigações que apuraram a facada contra o pai dele, além de ter comparado a velocidade do processo com outros casos.

Redação AM POST*

O vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos/RJ) desabafou no Twitter, na manhã sexta-feira (22/5), depois que o ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), encaminhou à Procuradoria Geral da República (PGR) pedidos de apreensão do celular dele e do presidente Jair Bolsonaro.

“Meu celular? Enquanto isso os do ex-piçóu Adélio protegidos há mais de um ano, processos contra Botafogo, Calheiros e outros sentados em cima há anos. Que crime teria cometido para tamanha velocidade e abuso? Nenhum. A narrativa do sistema continua em pleno vapor!”, escreveu ele rede social questionando as investigações que apuraram a facada contro o pai dele.

Continua depois da Publicidade

No pedido, o ministro solicita novas providências dentro do inquérito que investiga possível interferência de Bolsonaro na Polícia Federal.