Jovem Pan demite colunista que disse que não denunciaria estupro da própria filha

Após a repercussão negativa da declaração, a rádio decidiu por retirar o colunista do seu quadro de funcionários.

Redação AM POST

O jornalista Rodrigo Constatino foi demitido nesta quarta-feira (4) do quadro de funcionários da Jovem Pan após comentar o caso Mariana Ferrer, que acusou o empresário André de Camargo Aranha de estuprá-la em 2018, mas teve sentença definida como “estupro culposo” — ou seja, quando não há intenção de cometer o crime.

Durante live da rádio, o colunista relembrou o caso e frisou que nas circunstâncias em que o crime ocorreu, caso o episódio tivesse acontecido com sua filha, ele não denunciaria para polícia e ainda a deixaria de castigo.

Continua depois da Publicidade

“Ela vai ficar de castigo feio, eu não vou denunciar um cara desses para a polícia, eu vou dar esporro na minha filha, que alguma coisa ali ela errou feio e eu devo ter errado… Para ela agir assim!”, declarou o jornalista.

Rodrigo continua: “É um comportamento absolutamente condenável, só que a gente não pode falar mais essas coisas hoje em dia. Existe mulher decente também ou piranha. Não existe a ideia de mulher decente? As feministas querem que não [exista a ideia]”, diz.

Após a repercussão negativa da declaração, a rádio decidiu por retirar o colunista do seu quadro de funcionários.

Continua depois da Publicidade

Após a demissão, Rodrigo se pronunciou: “Vcs venceram uma batalha, parabéns! A pressão foi tão grande sobre a Jovem Pan, DISTORCENDO CLARAMENTE MINHA FALA, que não resistiram. Não os culpo. É do jogo. Quem me conhece e quem viu de fato sabe que eu jamais faria apologia ao estupro! Mas desde já estou fora da Jovem Pan.”, disse ele em suas redes sociais.